Tamanho do texto

Frankfurt (Alemanha), 6 mai (EFE).- O Banco Central Europeu (BCE) manteve hoje em sua reunião em Lisboa os juros básicos da zona do euro em 1%, o menor nível histórico, para impulsionar o crescimento econômico.

Frankfurt (Alemanha), 6 mai (EFE).- O Banco Central Europeu (BCE) manteve hoje em sua reunião em Lisboa os juros básicos da zona do euro em 1%, o menor nível histórico, para impulsionar o crescimento econômico. A instituição europeia informou em Frankfurt que deixou inalterada a facilidade marginal de crédito, pela qual empresta dinheiro aos bancos, em 1,75%. Por sua vez, o BCE manteve a facilidade de depósito, que remunera os depósitos overnight em bancos centrais nacionais, em 0,25%. O BCE deixou o preço do dinheiro em 1% para apoiar a reativação da economia da zona do euro. A maior parte dos analistas concorda com a previsão de que o BCE deixará as taxas de juros neste nível ao longo deste ano e parte do próximo para contribuir à recuperação de países como a Grécia, Portugal e Espanha. O presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, deve reiterar hoje que o nível do preço do dinheiro é adequado, segundo prevê Michael Schubert, analista de Commerzbank. A partir das 12h30min no horário local (9h30min em Brasília), Trichet dará mais detalhes sobre as deliberações do conselho de Governo em entrevista coletiva em Lisboa, que também será transmitido ao vivo pelo site da entidade em inglês, alemão e francês. Schubert descartou que Trichet faça um discurso em relação à cotação do euro e considerou que, provavelmente, se limitará a dizer que os movimentos excessivos e abruptos nos mercados de divisas são indesejados. O euro caiu com força nesta semana pelo temor de que a crise do endividamento da Grécia contagie a outros países da zona do euro como a Espanha e Portugal, que levou muitos investidores a retirar suas posições em euro. O euro estabilizou-se hoje ao redor de US$ 1,28, seu menor nível desde o início de março. Esta mudança é mais propícia para a economia da zona do euro já que contribui para impulsionar as exportações fora da zona do euro. O euro começou sua caminhada nos mercados de divisas a uma taxa de câmbio de US$ 1,17. Caiu até sua cotação mínima até agora em outubro de 2000 em US$ 0,82 e bateu seu recorde em julho de 2008 acima de US$ 1,60. O presidente do BCE poderia deixar a porta aberta a comprar dívida grega no mercado secundário (o Tratado de Maastricht proíbe a compra direta de dívida a um país no mercado primário) a fim de apoiar à Grécia. O comissário europeu de Mercado Interno e Serviços, o francês Michel Barnier, assegurou que a Europa "não está em perigo" pela crise grega e que em Bruxelas ninguém cogita o abandono do euro por parte da Grécia. EFE aia/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.