Os novos empréstimos de dólares das reservas internacionais para empresas com dívida no exterior serão operados, inicialmente, apenas por bancos brasileiros. A participação de instituições de outros países era considerada um obstáculo jurídico porque, em caso de falência do banco estrangeiro, o Banco Central - que é o credor dos dólares - teria dificuldade em reaver o dinheiro.

Estrangeiros também não poderão tomar os recursos emprestados. A nova linha de crédito será destinada apenas a empresas brasileiras.

Esses são os principais pontos da Circular 3.434, divulgada ontem às 22h20 no sistema de informações eletrônicas do BC, o Sisbacen. O texto diz que os empréstimos serão realizados exclusivamente por "subsidiárias ou controladas de instituições financeiras brasileiras autorizadas a operar em câmbio".

Esse tratamento difere do texto editado pelo próprio BC em 17 de dezembro, que estabelece os critérios para os mesmos empréstimos. Na ocasião, a Resolução 3.672 dizia que as operações poderiam ser realizadas por dois grupos: "Instituições financeiras brasileiras autorizadas a operar em câmbio" e "bancos com sede no exterior detentores de classificação de risco mínimo equivalente a grau de investimento".

Bancos estrangeiros tomaram boa parte das discussões sobre a formatação dessa linha de crédito. A área jurídica do BC tentou até os últimos dias encontrar uma forma para dar garantias à autoridade monetária de que os dólares emprestados poderiam ser recuperados rapidamente em caso de quebra de um banco de outro país.Porém, as diferenças de legislação entre as nações impossibilitaram essa proteção. Diante da dificuldade, a opção foi iniciar a operação apenas com agentes brasileiros, já que a legislação dessas instituições está a cargo do BC e pode ser alterada.

A administração dos empréstimos dos bancos às empresas vai ficar sob responsabilidade da própria instituição financeira que fez a operação. Empresas estrangeiras também não poderão tomar os dólares emprestados. Segundo o BC, apenas companhias brasileiras poderão participar da operação que tem como objetivo fornecer dólares para pagar empréstimos, financiamentos, arrendamento e aluguel de equipamentos. A dívida deve ter vencimento entre 1º de outubro de 2008 e 31 de dezembro de 2009.

Pelas regras, dívidas de multinacionais e operações intercompanhia não poderão ser quitadas com os dólares que sairão das reservas. Os compromissos com organismos multilaterais e agências governamentais no exterior também não serão cobertos pela nova linha do BC.

Bancos que tomarem os dólares terão de entregar contratos com as empresas como garantia. O BC pode exigir a "suplementação das garantias" com títulos federais ou outros ativos até 140% do valor do empréstimo. O custo do empréstimo será pago por uma taxa acrescida da Libor, referência do mercado financeiro de Londres.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.