Tamanho do texto

O Banco Central anunciou, na noite desta quarta-feira, a redução dos depósitos compulsórios a que os bancos são submetidos, o que deve promover uma injeção de recursos no total de R$ 23,2 bilhões no sistema financeiro do País.

Acordo Ortográfico

A primeira medida aumenta de R$ 300 milhões para R$ 700 milhões a dedução prevista para o recolhimento compulsório de depósitos a prazo feitos por meio de títulos públicos. A medida injeta, a partir do dia 13 de outubro, R$ 6,3 bilhões na economia.

A segunda medida reduz de 8% para 5% o recolhimento adicional de compulsórios sobre os depósitos à vista e a prazo feitos em espécie remunerados pela taxa Selic. A medida vai injetar a partir do dia 10 deste mês R$ 16,9 bilhões.

O objetivo, segundo o Banco Central, é prover liquidez ao sistema financeiro. O BC informa ainda que não foi alterado o recolhimento compulsório adicional das contas de poupança, que continua em 10%.

Em 24 de setembro, o BC já havia divulgado duas medidas relacionadas à regulamentação dos depósitos compulsórios. Uma adiou o cronograma de implementação de compulsórios sobre depósitos interfinanceiros de leasing (arrendamento mercantil) e a outra triplicou, para R$ 300 milhões, o valor a ser deduzido pelas instituições financeiras do cálculo da exigibilidade adicional sobre os depósitos a prazo, à vista e da poupança.

As medidas do mês passado, contudo, não alteravam as alíquotas, como faz a segunda medida anunciada hoje.

Mais notícias:

Para saber mais

Serviço 

Opinião

Leia mais sobre as alterações no depósito compulsório do BC