Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BC: crise do subprime continua longe de solução

O Banco Central avaliou, no Relatório Trimestral de Inflação, divulgado hoje, que a crise das hipotecas de segunda linha (subprime), que atingiu não apenas o mercado imobiliário, mas também o mercado financeiro e de crédito dos Estados Unidos, está longe de uma solução. Segundo o BC, a crise, além de provocar desdobramentos sobre os sistemas financeiros de outros países, principalmente dos países europeus, mostra indícios de que terá repercussões severas sobre a economia global.

Agência Estado |

"Os prejuízos declarados até o momento por instituições financeiras atingem cifras vultosas, e novas perdas significativas são esperadas", destaca o relatório.

Na avaliação do BC, as perspectivas para a economia global devem se deteriorar ainda mais. "Após um período em que a crise aparentemente dava sinais de que havia chegado a um ponto de inflexão, é plausível supor que as perspectivas para a economia global se deterioraram ainda mais desde a publicação do último relatório", diz o documento.

Segundo o BC, a Europa, cujo setor real parecia, em um primeiro momento, apresentar certa resistência à crise, também sofre os seus efeitos com perspectivas mais pessimistas para o crescimento mundial em 2008 e 2009. "De fato, sinais de forte desaceleração econômica, que podem eventualmente culminar em recessão, emergiram nas economias alemã, inglesa e espanhola", afirma o BC.

Europa

O BC ressalta no relatório que, apesar de a crise do subprime ter se originado nos Estados Unidos, até o momento, há sinais de que a economia européia estaria sendo mais duramente afetada do que a própria economia americana. O BC observa que a economia dos Estados Unidos apresentou crescimento não desprezível no primeiro semestre, após ter crescido em 2007. Mas pondera logo em seguida que a expectativa de recessão em futuro próximo ganha força. Os indícios mais fortes, diz o BC, parecem vir do mercado de trabalho, que reflete de maneira clara o menor nível de atividade econômica, com forte aumento da taxa de desemprego, piorando ainda mais a confiança do consumidor e contribuindo de forma importante para deprimir o dispêndio.

Japão e China

O BC faz questão de ressaltar ainda que o Japão, que não parecia ter sido seriamente afetado pela crise financeira - em especial pelo intenso comércio com os demais países da região - apresentou forte retração econômica no segundo trimestre.

Já em relação à China, a autoridade monetária diz que surgiram sinais de desaceleração no país emergentes. Segundo o BC, esses sinais são ainda incipientes. Para o BC, não está claro, no entanto, se os sinais são decorrentes de fatores pontuais, associados, por exemplo, a eventos climáticos ou às Olimpíadas, ou se realmente antecipam uma tendência.

Commodities

O relatório observa ainda que a redução dos preços das matérias-primas (commodities) deve contribuir para amenizar a tendência de desaquecimentos nessas regiões. Para o BC, a queda do preço das commodities internacionais pode reduzir o dilema enfrentado pela autoridade monetária de diversos países, que têm enfrentado alta dos preços e, ao mesmo tempo, economia desaquecida.

"A queda recente do preço das commodities pode contribuir de maneira importante para mitigar o dilema de política econômica enfrentado por vários bancos centrais, especialmente em países que são importadores de matérias-primas, onde inflação e atividade econômica têm andado em sentidos opostos", cita o documento.

O BC destaca o caso específico das matérias-primas não negociadas em bolsas. "É importante mencionar que matérias-primas não negociadas em bolsa, como o minério de ferro, continuam com seus preços bastante pressionados, sugerindo que as quedas recentes nos preços das commodities talvez tenham sido exageradas pelo movimento de fechamento de posições por parte de investidores financeiros", cita o documento. Para os diretores do BC, isso indica que o quadro de desaceleração da economia global pode ter sido "superestimado".

Com relação à inflação global, a queda das commodities, em especial do petróleo, "parece indicar que a inflação mundial, ainda que continue bastante elevada, já teria atingido seu ápice"

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG