Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BC atua, mas dólar sobe 0,51% e fecha a R$ 2,359

SÃO PAULO - A formação da taxa de câmbio teve pouca oscilação hoje. Depois de uma breve tentativa de baixa, as compras se sustentaram durante a maior parte do pregão, garantindo valorização para a divisa norte-americana.

Valor Online |

Ao contrário dos últimos dois dias, a atuação do Banco Central no mercado à vista não teve efeito sobre os preços. Ao final do pregão, o dólar comercial valia 0,51% mais do que ontem, negociado a R$ 2,357 na compra e R$ 2,359 na venda.

Na roda de "pronto" da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), a divisa ganhou 0,34%, fechando a R$ 2,359. O giro financeiro somou US$ 103,5 milhões, montante 44% menor que o registrado ontem. Já no interbancário o giro foi alto, de cerca de US$ 3,4 bilhões, sendo US$ 1,36 bilhão para liquidação em D+1.

Segundo o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo, não dá para entender por que o mercado está tão relutante em desfazer suas posições compradas (apostas contra o real) tanto no mercado à vista quanto no mercado futuro. "É consenso que o dólar não deve se sustentar próximo de R$ 2,40 por muito tempo", avalia.

Galhardo aponta que a formação da taxa de câmbio segue descolada das operações de mercado, ou seja, não está relacionada com importações e exportações. "O mercado corre atrás da taxa da BM & F", avalia.

Para o gerente, enquanto o BC não der a entender que não quer taxa acima de determinado preço, o mercado seguirá afrontando a autoridade monetária e colocando a taxa onde quiser.

No mercado internacional de câmbio, o dólar recuperou parte da perda histórica de ontem ante o euro depois que Banco Central Europeu cortou as taxas de redesconto para 1% ao ano. Ontem, o dólar teve a maior perda desde 1999 contra a moeda comum européia e atingiu o menor preço em 13 anos ante o iene depois que o Federal Reserve (Fed), banco central norte-americano, derrubou a taxa básica do país de 1% para uma banda de zero a 0,25%.

De volta ao mercado interno, o Banco Central fez novo leilão para rolagem dos contratos de swap que vencem em janeiro de 2009. Esta foi a quinta operação com esse objetivo e mais uma deve ser realizada amanhã. Hoje, o BC rolou apenas 2,5 mil contratos dos 23,4 mil colocados à disposição.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: bovespadolar

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG