Tamanho do texto

O juro médio cobrado no crédito livre caiu em fevereiro, após duas altas mensais seguidas. Dados divulgados hoje pelo Banco Central (BC) mostram que a taxa média dessas operações recuou de 35,1% ao ano em janeiro para 34,3% ao ano em fevereiro.

A redução ocorreu principalmente nas operações para pessoas físicas, cujo juro médio no período passou de 43% para 41,9% ao ano. Nas operações para pessoas jurídicas, o juro médio recuou de 26,5% para 25,9% ao ano.

A queda das taxas de juros nos empréstimos teve relação direta com a redução dos spreads bancários no período. O spread é a margem cobrada pelo banco e consiste na diferença entre as taxas de captação e de aplicação. Na média, o spread do crédito livre caiu de 25,1 pontos porcentuais para 24,3 pontos porcentuais, entre janeiro e fevereiro. Nas operações para as famílias, a redução foi de 31,8 pontos para 30,8 pontos. Para as empresas, a margem oscilou de 17,5 pontos para 16,9 pontos.

Inadimplência

A taxa média de inadimplência nas operações de crédito livre - quando a taxa de juro é livremente pactuada - caiu de 5,5% em janeiro para 5,3% em fevereiro, segundo os dados do BC. A redução dos atrasos foi liderada pelas operações das pessoas físicas, cuja taxa de inadimplência caiu de 7,6% para 7,2%. No crédito para as empresas, o porcentual das operações com atrasos superiores a 90 dias nos pagamentos recuou de 3,8% para 3,7%.

Expansão das operações

As operações de crédito do sistema financeiro apresentaram em fevereiro expansão de 0,8% na comparação com janeiro, informou o BC. O volume total de crédito teve crescimento de 16,8% nos 12 meses encerrados em fevereiro. No último dia do mês passado, o total de financiamentos somava R$ 1,435 trilhão.

"A evolução do crédito em fevereiro, além de refletir a sazonalidade característica do período, revelou comportamentos similares entre as carteiras por segmentos, constatando-se expansão tanto na parcela relativa aos recursos livres, quanto nos financiamentos com recursos direcionados, os quais registraram desaceleração comparativamente ao mês anterior", informou o documento divulgado pelo BC.

Entre os segmentos, os empréstimos ao setor privado cresceram 0,8% em fevereiro ante janeiro e 14,4% em 12 meses. No âmbito privado, chama a atenção a expansão de 2,7% no mês da carteira de empréstimos para habitação, que acumula crescimento de 46,4% em 12 meses. Ao fim de fevereiro, o volume de empréstimos ao setor privado era de R$ 1,374 trilhão e a habitação acumulava financiamentos de R$ 96,759 bilhões. O BC também informou que a participação do crédito no Produto Interno Bruto (PIB) atingiu 44,9% em fevereiro, ante 45% em janeiro. Um ano antes, em fevereiro de 2009, essa fatia era de 40,7%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.