LONDRES (Reuters) - O petróleo atingiu nesta terça-feira o maior valor em um mês, acima de 50 dólares o barril, com a intensificação dos ataques israelenses a Gaza e também pela disputa entre Rússia e Ucrânia sobre o preço do gás, que levanta temores sobre interrupção no fornecimento para a Europa. O conflito no Oriente Médio, cortes na oferta pelos exportadores da Opep (Organização dos Países Produtores de Petróleo) e a disputa entre Rússia e Ucrânia já ajudaram a impulsionar os preços do petróleo em mais de 50 por cento, ante a mínima de 32,40 dólares registrada em 19 de dezembro.

"Os preços continuam a ser impulsionados por questões políticas, sejam elas o gás ou assuntos relacionados a Gaza", disse Rob Laughlin, corretor da MF Global.

Por volta das 10h20, o contrato fevereiro negociado em Nova York subia quase 3 por cento, para 50,20 dólares o barril, enquanto o tipo Brent, negociado em Londres, subia cerca de 4 por cento, para 51,57 dólares.

O conflito em Gaza não ameaça diretamente o fornecimento de petróleo, mas problemas no Oriente Médio sempre elevam os preços porque os países da região produzem cerca de um terço do petróleo do mundo.

O fornecimento do gás russo via Ucrânia para os Bálcãs, Turquia e sudeste da Europa tem sofrido interrupções, e o fluxo para países da União Européia como a Áustria caiu em 90 por cento.

Apesar da recente valorização, o petróleo está bem baixo de seu recorde em Nova York, de 147,27 dólares, registrado em julho de 2008, antes da crise financeira global.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.