Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bancos usam crédito pré-aprovado para caçar clientes

A forte concorrência no setor bancário para ganhar o cliente do crédito imobiliário tem feito as instituições financeiras usarem estratégias agressivas para aumentar suas carteiras. A principal filosofia tem sido a de se antecipar ao desejo do cliente de adquirir a casa própria.

Agência Estado |

Isso se traduz na oferta de milhares de reais de crédito pré-aprovado aos potenciais compradores. "Pré-aprovar limites é uma forma de facilitar o crédito", diz Josué Augusto Pancini, diretor da área de empréstimos e financiamento do Bradesco.

No ano passado, cerca de 860 mil clientes do banco receberam mala-direta ou e-mail com ofertas de operações pré-aprovadas de crédito imobiliário. "Desde que se instituiu a alienação fiduciária (modalidade de garantia que substitui a hipoteca), focamos no mercado de empréstimo para construção e para pessoa física."

Com essa visão, segundo dados da própria instituição, o Bradesco aumentou a participação no mercado de financiamento habitacional à pessoa física de 7,7%, em 2005, para 12,8% em 2008.

Já o banco Real investe na participação de salões imobiliários pelo País para divulgar o serviço do banco. "Mobilizamos força de venda, estrutura de gerentes e ferramentas para oferecer produtos e até finalizar operações", diz Antonio Barbosa, superintendente-executivo de crédito imobiliário do banco.

o Salão Imobiliário de São Paulo do ano passado, por exemplo, o banco conseguiu fechar cerca de 2 mil contratos com valor médio de R$ 100 mil. "Nossa expectativa este ano é crescer 40% e aumentar nossa fatia de mercado, que hoje é de 10,45%."

A união de construtoras e bancos tem sido uma forma eficiente de alavancar as vendas de imóveis e contratações do crédito imobiliário. O financiamento na planta ao comprador pelo banco funciona como argumento de venda, porque torna o crédito mas ágil. Essa frente é, aliás, fortemente adotada pela Caixa Econômica Federal para ampliar a aplicação dos recursos voltados à casa própria.

No balanço do primeiro semestre, a Caixa aplicou R$ 9,181 bilhões em financiamento habitacional, 34% mais que o mesmo período do ano passado. O crescimento da aplicação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço em habitação foi de 47% em relação a 2007: R$ 5,4 bilhões. Já o da poupança foi de 33%: R$ 3,4 bilhões. O banco espera ainda gastar mais R$ 11,2 bilhões até o fim do ano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Leia tudo sobre: bancos

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG