Tamanho do texto

SÃO PAULO - Pesquisa divulgada hoje pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) revelou uma projeção pior para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2009, mas com uma inflação mais próxima da meta oficial do governo. Em novembro, as 33 instituições financeiras ouvidas esperavam um crescimento de 3,13% para o PIB do próximo ano, estimativa que caiu para 2,56% neste mês.

No ritmo dessa desaceleração, a expectativa para a inflação medida pelo IPCA recuou de 5,12% para 4,95%.

Na opinião dos bancos, a atividade econômica apresentará contração nos seis primeiros meses do próximo ano, com perspectiva de recuperação na segunda metade do exercício.

Uma das explicações para a expectativa mais conservadora para o PIB pode estar no crédito. Isso porque a pesquisa também mostrou queda nas projeções para o crescimento da oferta de empréstimos em 2009. No mês passado, as instituições financeiras apontavam para uma expansão de 18,64%, que passou neste mês para 18,19%.

Com menos crédito, cai também a expectativa para os investimentos. A projeção da pesquisa de novembro da Febraban para a Formação Bruta de Capital Fixo era de uma alta de 8,56% em 2009, número que caiu para 4,95% na pesquisa divulgada hoje.

Também foi apontada uma retração nas expectativas para o fluxo comercial. A projeção para as exportações brasileiras em 2009 caiu de US$ 201,58 bilhões para US$ 178,74 bilhões. No caso das importações, houve recuo de US$ 187,62 bilhões para US$ 164,44 bilhões. Com isso, é esperada agora uma balança comercial positiva em US$ 14,3 bilhões, quase em linha com os US$ 13,96 bilhões estimados em novembro.

(Murillo Camarotto | Valor Online)