Tamanho do texto

Tóquio, 16 set (EFE).- As instituições financeiras japonesas têm comprometidos US$ 1,67 bilhão no Lehman Brothers, segundo o próprio banco de investimento americano, mas o Governo japonês augurou hoje que essa exposição não prejudicará o sistema financeiro.

O ministro das Finanças japonês, Bunmei Ibuki, disse hoje que a falência do Lehman Brothers não prejudicará gravemente o sistema financeiro local, apesar da exposição de alguns bancos locais ao até agora o quarto maior banco de investimento americano.

Ibuki afirmou que, levando em conta o capital próprio das instituições financeiras japonesas, não há motivos para preocupação, "apesar de estes bancos terem estendidos créditos ao Lehman".

O ministro das Finanças apontou que junto ao ministro da Economia, Kaouru Yosano, informou ao resto do Gabinete que o Japão está preparado para reagir com flexibilidade a este assunto.

Ibuki disse ainda que o G7, formado por Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e EUA, está preparado para discutir esta matéria.

O banco japonês com maior exposição à falência do Lehman Brothers é o Aozora Bank, que mantém créditos no valor de US$ 463 milhões.

O primeiro-ministro japonês, Yasuo Fukuda, o porta-voz Nobutaka Machimura e o governador do Banco do Japão (BOJ), Masaaki Shirakawa, discutiram hoje com Ibuki e Yosano uma resposta do Japão à falência do Lehman.

Ibuki minimizou a importância da alta do iene em relação ao dólar e acrescentou que a queda da Bolsa de Tóquio não parece ter sido motivada por uma venda provocada pelo "pânico".

O índice Nikkei desabou hoje 5,06% por causa da situação do Lehman, e caiu para seu nível mais baixo em três anos. EFE fab/mh