Tamanho do texto

Instituições financeiras mantiveram expectativa para juros e inflação neste ano

As instituições financeiras brasileiras elevaram a expectativa de crescimento da economia para 7,1% em 2010, contra uma previsão anterior de 6,3%, divulgada em maio, segundo Pesquisa de Projeções Macroeconomicas da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Para a taxa básica de juros (Selic) e a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), as projeções foram mantidas em 11,75% e 5,5%, respectivamente.

“O destaque na pesquisa deste mês foi o aumento do Produto Interno Bruto (PIB). Vimos que a maior parte dos analistas ficou surpresa com o resultado do primeiro trimestre”, disse Jayme Alves, economista sênior da Febraban. De janeiro a março deste ano, a economia brasileira registrou expansão de 2,7% frente ao último trimestre de 2009 e de 9% em relação ao primeiro trimestre do ano passado.

Entre as instituições que participaram da pesquisa, 81,5%  disseram que o resultado do PIB do primeiro trimestre deste ano ficou acima de suas expectativas.

Alves ressaltou que o setor de indústria foi o que teve maior aumento de projeções para este ano. Em maio, os bancos consultados pela Febraban previam um avanço de 8,5% no PIB industrial. No levantamento mais recente - feito entre 17 e 21 de junho - a projeção de crescimento foi de 9,7% para as indústrias. "Foi o setor que mais sofreu durante a crise e agora está se recuperando de forma mais rápida", comentou o economista.

Para 2011, a projeção dos bancos para o PIB brasileiro é de crescimento de 4,4%, levemente abaixo da perspectiva anterior, de 4,5%. Segundo Jayme, esse pequeno ajuste acontece em função da percepção de que os juros podem subir mais.

Crédito

Para as operações de crédito do sistema financeiro, os bancos elevaram levemente a projeção de crescimento nos empréstimos para pessoa física de 20,6% para 20,7%. No entanto, para pessoas jurídicas, a expectativa foi reduzida de um avanço de 21,6% para 20,8%.

No total, consideranto tanto pessoas físicas como jurídicas, as 30 insituições consultadas pela Febraban esperam que as operações de crédito tenham um crescimento de 21,1% este ano, a mesma porcentagem que já previam em maio. Para 2011, os bancos reduziram a expectativa de crescimento de 18,9% para 18,3%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.