Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Banco público tem mais risco de calote

Bancos públicos se expõem mais ao risco de calote que os concorrentes privados. Dados do Banco Central (BC) mostram que 71,3% dos empréstimos para as pessoas físicas feitos pelas instituições controladas pelo governo têm risco que equivale a, pelo menos, atrasos de 15 dias nos pagamentos.

Agência Estado |

Enquanto isso, os bancos privados optam por concentrar operações nos bons pagadores e só 27,6% dos financiamentos têm o risco mencionado. A pressão do governo para o aumento da oferta de crédito em meio à crise e a ação em nichos de menor renda explica a maior exposição dos bancos públicos, dizem analistas.

No setor bancário, cada empréstimo é classificado com notas para determinar o risco de calote. Pelas regras do BC, a avaliação varia entre AA e H e leva em conta critérios como o grau de endividamento, limite de crédito, qualidade das garantias, valor do financiamento, renda e patrimônio do cliente. Isso, por exemplo, determina se um empréstimo recebe AA - a melhor nota - ou C na concessão do crédito.

Independentemente da avaliação, bancos são obrigados a incluir todos os empréstimos com atraso de 15 dias na nota B. A falta de pontualidade no pagamento superior a um mês passa a receber C e, quando o atraso no pagamento passa de mais de 90 dias, cai para E. Dessa forma, o ideal é que instituições optem pelos empréstimos com as melhores notas, aqueles feitos por bons pagadores: clientes com boas condições de pagamento, histórico de crédito e garantias. Mas não é necessariamente isso que ocorre nos bancos públicos.

Em novembro, a exposição ao risco nas operações entre B e H concentrou quase três quartos dos empréstimos às pessoas físicas feitas pelas instituições controladas pelo governo. Portanto, só um quarto tinha nota AA e A. Enquanto isso, a proporção nos bancos privados com capital nacional era exatamente a contrária: quase três quartos dos empréstimos tinham as duas melhores notas e apenas um quarto as piores avaliações.

BB e Caixa

Os dois maiores bancos públicos do Brasil rebatem a avaliação de que realizar operações de maior risco implique em levar mais calotes à carteira de crédito. Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal argumentam que não há relação direta entre os dois temas e que ambos têm indicadores de inadimplência mais baixos que a média do mercado.

A assessoria de imprensa do BB argumenta que, no crédito à pessoa física com recursos livres, por exemplo, a inadimplência (conceito que agrega atrasos superiores a 90 dias) da instituição era de 5,8% em setembro, ante taxa de 7,3% na média do mercado. Além disso, a instituição lembra que uma das classificações feitas pelo Banco Central para as operações de crédito avalia como “risco normal” as transações com notas entre AA e C. Por isso, não há qualquer impedimento ou problema em se ter operações com notas abaixo de A.

Já a Caixa argumenta que os empréstimos para pessoa física com nota AA e A correspondem a 50% da sua carteira. A instituição afirma também, sem dar números, que sua inadimplência é inferior à média do mercado. “Portanto, é perfeitamente possível um banco realizar operações com clientes cujos ratings sejam baixos, mas, devido a seus sistemas de relacionamento com tais clientes, obter níveis de inadimplência reduzidos”, diz a Caixa em nota.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG