Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Banco Mundial afirma que China vai crescer 9,5% em 2010

PEQUIM - O Banco Mundial (BM) afirmou hoje que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China ficará por volta de 9,5% 2010, acima dos 8% fixados como objetivo pelo Governo de Pequim.

EFE |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561782989&_c_=MiGComponente_C

Além disso, o BM estimou que não espera um aumento excessivo da inflação (entre 3,5 e 4%), mas um descenso dos investimentos estatais na economia chinesa e uma recuperação contínua das exportações, após a queda de 2009.

Os dados estão no relatório do BM sobre a China, apresentado hoje em Pequim pelo economista Louis Kuijs, autor do trabalho.

De acordo com o economista, vai haver uma mudança na estrutura do crescimento da terceira economia mundial, com maior participação do setor imobiliário no PIB e menor intervenção governamental.

Em seu relatório, o Banco Mundial se une às vozes que, sobretudo nos Estados Unidos, pedem que a China flexibilize a taxa de câmbio do iuane com relação ao dólar, que está praticamente fixa desde o início da crise financeira.

"A política monetária tem um papel fundamental na contenção dos riscos da inflação" e outros que a economia chinesa enfrenta, "e mais flexibilidade na taxa de câmbio ajudaria a esse respeito", destacou Kuijs no relatório.

A bolha imobiliária, com altas de preços de até 30% nos imóveis das grandes cidades chinesas, e o endividamento de muitos Governos locais do país (que recorrem justamente a projetos imobiliários para se financiarem) são, segundo o BM, os dois principais focos de risco para a economia chinesa, "embora as incertezas sejam menores que em 2009", ressaltou.

O PIB da China cresceu 8,7 % em 2009, apesar do desastre que a crise financeira global causou nas exportações (motor do crescimento chinês durante décadas), graças a um plano de estímulo estatal de meio trilhão de dólares para alavancar o consumo interno.

Em 2010, as medidas de estímulo diminuirão, para evitar o reaquecimento de certos setores, o que segundo o BM terá como resultado um retorno do papel importante das exportações na economia chinesa.

No entanto, a instituição internacional acredita que já existem as bases para que o modelo econômico chinês mude, e o país, em médio prazo, olhe mais para seu mercado interno e menos para o exterior.

Leia mai sobre: China

Leia tudo sobre: chinapib

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG