Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Banco irlandês garantido pelo Estado aproveita para atrair depósitos

Dublin, 3 out (EFE).- O filho do diretor-executivo do Irish Nationwide, um dos seis bancos irlandeses garantidos pelo Governo de Dublin, utilizou o aval estatal para tentar fazer negócios com uma entidade de investimentos globais radicada em Londres, confirmaram hoje fontes oficiais.

EFE |

Michael Fingleton (filho) enviou vários e-mails a funcionários de uma firma da City londrina pedindo que depositassem grandes somas de dinheiro, antes inclusive que a nova lei de garantia fosse aprovada na quinta-feira pelo Parlamento irlandês, informou o escritório do regulador financeiro, que investiga o assunto.

No e-mail, que circula pela internet, Fingleton - funcionário de uma filial do Irish Nationwide - afirmava que, graças ao apoio do Governo, sua entidade era agora "o lugar mais seguro para depositar dinheiro na Europa", com ofertas de depósitos com juros de 6,75% e 7%.

"O dinheiro nestas contas está garantido independentemente da quantia e é a melhor oferta no mercado do Reino Unido. Posso oferecer formulários de solicitação por e-mail, se pedirem", escreveu Fingleton, ao mesmo tempo em que sugeria ao destinatário que passasse a mensagem aos "amigos, colegas e clientes".

Em comunicado, o Irish Nationwide se apressou hoje em qualificar a atuação do funcionário como "inadequada e lamentável", mas o Governo teme que a polêmica intensifique o mal-estar gerado pela intervenção estatal entre alguns parceiros europeus, principalmente no Reino Unido, que advertiu do risco de fuga de capitais à Irlanda.

Sobre isso, um porta-voz do Ministério da Economia irlandês ressaltou hoje que o ministro Brian Lenihan "não tolerará que uma instituição financeira tente explorar esta garantia para obter vantagens sobre a concorrência".

A lei de garantia irlandesa, que permanecerá em vigor até a meia-noite de 28 de setembro de 2010, protege depósitos, bônus e certo tipo de dívida dos seis grandes bancos nacionais avaliados em mais de 400 bilhões de euros. EFE ja/an

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG