Tamanho do texto

Tóquio, 6 out (EFE).- O Banco do Japão (BOJ, banco central japonês) começou hoje uma reunião de dois dias entre a piora da crise financeira e com a expectativa que mantenha as taxas de juros em 0,50%.

Segundo a agência local "Kyodo", espera-se que o BOJ debata o arrefecimento da economia japonesa e a queda das exportações, estudando o aumento dos preços, com a inflação em seu nível mais alto em 16 anos.

Prevê-se que o banco central mantenha as taxas de juros em 0,50% pelo vigésimo mês consecutivo, já que o BOJ disse que as condições de crédito no Japão já são "bastante amplas".

O governador do BOJ, Masaaki Shirakawa, sugeriu em várias ocasiões que o banco central não tem a necessidade imediata de diminuir as taxas de juros.

O ministro de Economia japonês, Kaoru Yosano - conhecido por respeitar a independência do BOJ e que na sexta-feira disse que cortar as taxas de juros "não seria efetivo" no Japão - concorda com a posição de Shirakawa.

Desde a quebra do banco de investimento americano Lehman Brothers em setembro e os problemas financeiros que aguçam o sistema financeiro global, o BOJ realizou várias injeções de capital em 14 dias que já chegam a 24,9 trilhões de ienes (US$ 238,231 bilhões).

EFE cej/ma