SÃO PAULO (Reuters) - O maior banco da América Latina, Banco do Brasil, e o segundo maior banco privado do Brasil, Bradesco, anunciaram nesta terça-feira acordo para a criação de uma bandeira brasileira de cartões de crédito e débito.

Os planos envolvem ainda a criação de uma holding que ficará encarregada pelos novos negócios com cartões das duas instituições e pelas participações detidas na empresa de meios de pagamento eletrônicos Cielo.

SÃO PAULO (Reuters) - O maior banco da América Latina, Banco do Brasil, e o segundo maior banco privado do Brasil, Bradesco, anunciaram nesta terça-feira acordo para a criação de uma bandeira brasileira de cartões de crédito e débito.

Os planos envolvem ainda a criação de uma holding que ficará encarregada pelos novos negócios com cartões das duas instituições e pelas participações detidas na empresa de meios de pagamento eletrônicos Cielo.

Os bancos concederão entrevista à imprensa na tarde desta terça-feira.

A criação da holding terá como objetivo ganhos de sinergias e "estruturação de novos negócios de private label, outros negócios afins e construção de um modelo de empresa que possibilite a oferta de cartões com bandeira de atuação em âmbito nacional".

O Bradesco, que tem 54 milhões de clientes, encerrou 2009 com uma base de cartões de crédito e débito de 132,9 milhões, um crescimento de 50,3 por cento em relação ao terceiro trimestre. A instituição comprou o banco ibi, braço financeiro das lojas C&A, em junho do ano passado, elevando sua participação no mercado de cartões de crédito no Brasil de 19 para 22 por cento.

Já o Banco do Brasil terminou 2009 com uma base de cartões de 87,3 milhões e participação em faturamento total de 18,7 por cento, segundo balanço de quarto trimestre.

As ações do Bradesco recuavam 0,16 por cento e as do Banco do Brasil caíam 0,74 por cento às 10h55, enquanto o Ibovespa exibia queda de 1,01 por cento.

As instituições anunciaram na sexta-feira passada a compra de participações adicionais na Cielo do Santander que elevarão a fatia dos bancos brasileiros na companhia de cartões para 28,65 por cento. Os bancos informaram ainda que consideram futuramente ter outro sócio na Cielo.

Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) o mercado brasileiro encerrou março com 628 milhões de cartões, um crescimento de 21 por cento em relação ao total apurado no final do primeiro trimestre do ano passado.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.