Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Banco Central da Islândia anuncia corte na taxa de juros

Copenhague, 15 out (EFE).- O Banco Central da Islândia (Sedlabanki) anunciou hoje a redução com efeito imediato da taxa básica de juros em 3,5 pontos, para 12%, como resposta à crise econômica que afeta o país nórdico.

EFE |

A autoridade monetária informou que, antes de adotar esta decisão, tinha mantido discussões informais com representantes do setor privado e com "outras partes", para analisar a gravidade da situação.

As "turbulências" econômicas das últimas semanas, o colapso do sistema financeiro, a queda da demanda e a contração da economia são alguns dos fatores citados pelo Banco Central da Islândia, que revisará de novo os juros em 6 de novembro, para motivar sua decisão.

A Bolsa de Reykjavik, que ontem retomou sua atividade após três dias fechados, mantém hoje, até o momento, a tendência negativa, mas de forma muito mais moderada, depois da baixa de 76% desta terça-feira.

A cotação das ações dos principais bancos do país, nacionalizados após um decreto do Governo na semana passada, continua suspensa.

Uma delegação islandesa negocia em Moscou a concessão de um crédito extraordinário, enquanto as autoridades islandesas mantêm também contatos com o Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre uma possível ajuda para evitar o colapso econômico.

Os bancos centrais da Suécia, Noruega e Dinamarca aprovaram em maio um crédito extraordinário no valor de 1,5 bilhão de euros (US$ 2,3 bilhões) ao Sedlabanki para fortalecer a moeda e estabilizar a economia do país.

O Banco Central da Islândia utilizou esse acordo para pegar emprestados 400 milhões de euros no total dos bancos nacionais dinamarquês e norueguês, confirmaram as autoridades destes países.

O primeiro-ministro dinamarquês, Anders Fogh Rasmussen, tinha anunciado ontem, em um encontro com a imprensa estrangeira, que os outros países nórdicos apoiariam economicamente a Islândia, mas depois esclareceu que se referia ao crédito extraordinário de maio, sem descartar também iniciativas adicionais. EFE alc/an

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG