Pequim, 16 fev (EFE).- O Banco Popular da China (PBOC, banco central chinês) descartou cortar as taxas de juros para 0% a fim de estimular a economia, porque não é uma boa escolha para a China, assegurou seu vice-governador, Yi Gang.

Segundo publicou hoje a imprensa oficial, em uma conferência na universidade de Pequim, Yi afirmou que um corte drástico dos juros não é necessário, porque as contas da economia e a acumulação de reservas de divisas somam uma parte importante do Produto Interno Bruto (PIB) chinês, tornando ainda a margem para que o consumo aumente ampla.

A crescente produtividade do trabalho e a limitação do sistema financeiro chinês, onde os bancos não contam com todos os serviços de intermediação nem com uma grande estrutura, são outras das razões apresentadas pelo número 2 do PBOC.

Atualmente, as taxas de juros a um ano na China estão em 5,31%, um dado ainda alto e mais centrado em controlar a inflação do que a estimular o crescimento econômico.

Yi tranquilizou a população, assegurando que o PBOC estava determinado não apenas a lutar contra a deflação, mas também a manter o poder aquisitivo do iuane e a manter a moeda estável. EFE gmp/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.