Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bancários do Rio de Janeiro, Salvador e Brasília seguem de braços cruzados

BRASÍLIA - Bancários dos Estados do Rio de Janeiro, Salvador e Brasília mantêm a paralisação iniciada ontem, terça-feira, inicialmente prevista para durar apenas 24 horas, informa a a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf). Brasília decidiu por greve por tempo indeterminado. São Paulo voltou à normalidade.

Redação |

Acordo Ortográfico

Há indicativo de greve geral por tempo indeterminado caso não existam negociações até o dia 7 de outubro, de acordo com informações da Contraf.

Nesta quarta, a Contraf se reune com o Comando Nacional dos Bancários para avaliar as mobilizações e traçar as estratégias.

Desde a última quarta-feira (24), o sindicato dos Bancários está em negociação com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) em busca de um acordo salarial. A Febraban ofereceu reajuste de 7,5% sobre os salários e todas as verbas salariais. O Comando Nacional dos Bancários rejeitou a proposta no momento em que foi apresentada, por considerá-la muito abaixo das expectativas da categoria.

Anderson Dezan/US

Paralisação dos bancários segue no Rio de Janeiro

As reivindicações dos bancários são aumento real de 5%; elevação do

 

 

valor da PLR e simplificar os critérios de distribuição - três salários mais R$ 3.500 para todos, sem limitador e sem teto; valorização dos pisos salariais; cesta-alimentação no mesmo valor do salário mínimo (R$ 415) e contratação da remuneração total; plano de Cargos e Salários para todos os bancários e 1% para cada ano trabalhado.

A cada cinco anos, esse reajuste será de 2%. O banco é obrigado a promover o bancário pelo menos um nível a cada cinco anos; e aumento do vale-refeição para R$ 17,50, de forma a compensar a inflação dos alimentos dos últimos 12 meses.

Febraban

A assessoria de imprensa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), da qual a Fenaban faz parte, informou que por enquanto não tem nenhuma posição em relação às paralisações, apenas afirmou que as negociações para o reajuste já ocorrem há um mês.

Leia mais sobre: greve dos bancários

Leia tudo sobre: bancosbancáriosgrevegreve dos bancários

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG