Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ban pede maior cooperação entre Governos para enfrentar crise de alimentos

Nações Unidas, 16 out (EFE) - O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu hoje uma maior cooperação entre Governos, empresas e sociedade civil para enfrentar a colossal tragédia humana que representam os cerca de um bilhão de pessoas que sofrem de fome todos os dias.

EFE |

Em mensagem por ocasião do Dia Mundial da Alimentação, Ban disse que o evento ocorre em "tempo de crise" pelo impacto da turbulência financeira global no encarecimento dos alimentos e dos combustíveis, que, em conjunto, empurraram mais cerca de 75 milhões de pessoas "em direção ao abismo da fome e da pobreza".

"Neste Dia Mundial da Alimentação, peço a Governos, organizações e cidadãos para forjar uma cooperação positiva para superar os desafios que enfrentamos", disse o secretário-geral.

Ele destacou que a situação da fome no mundo é alarmante por si só, mas ganha mais gravidade se for considerado "que a falta de alimentos causa outras ameaças, da agitação social à degradação ambiental".

Ban lembrou que antes da atual crise, 800 milhões de pessoas já sofriam de fome no mundo, um número que a ONU calcula que tenha aumentado até 923 milhões devido à falta de alimentos, à alta do preço dos combustíveis e aos efeitos da mudança climática.

"Estes desafios enfrentados pelo conjunto da humanidade, pela mudança climática e pela crise alimentícia e de combustíveis, estão inter-relacionados e têm uma natureza global que exige uma resposta global", afirmou o secretário-geral.

Ele advertiu de que são crises a longo prazo que requeriam uma atenção constante durante anos por parte de Governos, doadores, organizações internacionais, o setor privado e a sociedade civil.

"São assuntos de vida ou morte que devem ser enfrentados com reivindicações sérias e atuações firmes", ressaltou.

Nesse sentido, lembrou o plano de ação adotado na Conferência Internacional sobre a Emergência Alimentar organizada em junho pela ONU em Roma, que até agora não recebeu o financiamento prometido.

EFE jju/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG