Tamanho do texto

Nações Unidas, 16 mar (EFE).- O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, considera certo que os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) fixados para 2015 não serão cumprirão se a comunidade internacional não redobrar com urgência os esforços para reduzir a pobreza extrema no mundo.

"A cinco anos do prazo estipulado, nos encontramos em uma encruzilhada: muitos países alcançaram progressos notáveis, mas muitos outros seguem atrasados", disse Ban hoje, após apresentar à Assembleia Geral da ONU um relatório sobre os preparativos da cúpula que os países-membros farão em Nova York entre 20 e 22 de setembro.

O secretário-geral ressaltou que alcançar os oito ODM fixados em 2000 "é um desafio imenso" que a recessão econômica, a crise alimentícia, a mudança climática e os desastres naturais complicaram ainda mais.

O relatório servirá de base para as deliberações sobre o ritmo de desenvolvimento dos ODM, que serão analisados em setembro pelos 192 países membros da ONU.

Ban falou dos avanços e das lições aprendidas até agora e também destacou os desafios, oportunidades e recomendações específicas para avançar na execução dos ODM. As medidas foram estabelecidas em 2000 para lutar e erradicar a pobreza, a fome e as doenças.

"O mundo conta com o conhecimento e os recursos necessários para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio", ressaltou o secretário.

No entanto, Ban deixou uma porta aberta ao otimismo, ao assinalar que conseguir os ODM "continua sendo factível (...) com vontade, políticas, recursos e medidas suficientes".

Ele também lembrou que a Declaração do Milênio, realizada há dez anos, "é a promessa coletiva mais importante feita até agora aos grupos mais vulneráveis do mundo".

Entre os progressos, Ban ressaltou os bons resultados na luta contra a pobreza extrema e a fome, a melhora da saúde infantil e o aumento das matrículas escolares e do acesso à água potável, assim como ao tratamento da aids, da malária, da tuberculose e das doenças tropicais.

O secretário-geral da ONU afirmou que para conseguir os objetivos é essencial "um apoio financeiro adequado, uniforme e previsível", assim como um contexto de políticas também estáveis e coerentes em nível nacional e internacional.

Ele lembrou que a falta de financiamento internacional foi uma grande barreira para o avanço dos ODM. Em 2008 a assistência ao desenvolvimento alcançou US$ 119,8 bilhões, número que embora seja 10% maior que o do ano anterior é menor que os US$ 155 bilhões anuais prometidos pelo G8 (sete países mais industrializados e a Rússia) em 2005. EFE jju/pb

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.