Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Balança comercial tem superávit de US$ 3,3 bi em julho

Rio de Janeiro, 1 ago (EFE).- O Brasil teve em julho um superávit em sua balança comercial de US$ 3,304 bilhões, valor 1,2% inferior ao do mesmo mês do ano passado, mas registrou número recorde para um único mês tanto para as exportações como para as importações.

EFE |

Segundo os números divulgados hoje pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o fluxo comercial no mês (soma de importações e exportações) chegou ao recorde de US$ 37,602 bilhões graças às exportações e importações também históricas de US$ 20,453 bilhões e US$ 17,149 bilhões respectivamente.

No acumulado do ano, o superávit comercial ficou em US$ 14,653 bilhões, valor 38,7% inferior ao dos sete primeiros meses do ano passado.

O aumento das exportações a um nível recorde em julho permitiu que o Brasil melhorasse seu saldo comercial no acumulado do ano, já que nos primeiros seis meses de 2008 o superávit (US$ 11,37 bilhões) era em 44,7% inferior ao do primeiro semestre do ano passado (US$ 20,579 bilhões).

O saldo positivo nos sete primeiros meses foi produto de exportações de US$ 111,098 bilhões, com um crescimento de 27,2% frente ao mesmo período do ano passado (US$ 87,333 bilhões), e importações de US$ 96,445 bilhões, com uma expansão de 52,1% ante às dos sete primeiros meses de 2007 (US$ 63,412 bilhões).

A queda do saldo comercial ao longo do ano é atribuída à depreciação do dólar contra o real, já que a moeda americana caiu esta semana a seu valor mais baixo desde janeiro de 1999, o que reduziu a competitividade das exportações brasileiras e incentivou o aumento das importações.

Segundo as projeções do Banco Central, o superávit da balança comercial, que já tinha caído do recorde de US$ 46,456 bilhões em 2006 para US$ 40.,039 bilhões em 2007, cairá este ano até US$ 25 bilhões.

Os economistas dos bancos privados, por sua parte, calculam que o saldo positivo deve ir a US$ 23 bilhões este ano, ou seja, a metade do registrado em 2006, e que seguirá caindo para US$ 15,2 bilhões em 2009. EFE cm/rr

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG