SÃO PAULO - A American Airlines começou a testar em um de seus aviões Boeing 767-200 um sistema de proteção anti-mísseis, o JetEye, fabricado pela BAE Systems. O avião equipado com o sistema está em atividade normal e faz a rota Nova York-Los Angeles.

Segundo a empresa, porém, os testes não envolvem a utilização de mísseis reais, mas têm como objetivo apenas avaliar a confiabilidade e a interface do sistema integrado aos equipamentos do avião.

A BAE afirma que em outros testes, conduzidos em aviões não comerciais da American e em cargueiros da ABX, o sistema se mostrou tão confiável como os que equipam aeronaves militares. Derivado desses sistemas, o JetEye, segundo a fabricante, tem uma vida útil mais longa e necessita de menos manutenção que os equipamentos militares.

O Departamento de Segurança Interna dos EUA está monitorando o programa de testes. Além do avião já equipado, outros dois 767s da American deverão receber o sistema para testes até março do ano que vem.

De acordo com a BAE, o sistema, que pesa menos de 100 kg, é uma pequena plataforma instalada na parte inferior da fuselagem do avião que contém sensores de mísseis, com capacidade de mira automática, equipada com lasers que ao disparados destroem o sistema de direção dos mísseis em pleno ar. Uma vez acionado o sistema, a operação do laser é automático, afirma a fabricante.

Os testes, que terão duração total de nove meses, deverão fornecer dados suficientes para que o Departamento de Segurança Interna dos EUA faça suas recomendações às companhias aéreas. A decisão final sobre a instalação ou não do sistema deverá ser das operadoras.

A Northrop Grumman é a única outra companhia que participa da disputa para o sistema de proteção anti-mísseis a aeronaves civis. Seus testes se encerraram em março deste ano e o seu programa foi arquivado até que o governo dos EUA chegue a uma decisão quanto ao sistema vencedor.

(José Sergio Osse | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.