Tamanho do texto

RIO - O leilão dos blocos da Bacia Potiguar, a primeira a ser licitada na 10ª Rodada de Licitações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), movimentou R$ 19,747 milhões em bônus de assinatura, com previsão de investimentos de R$ 73,578 milhões na fase de exploração. A Petrobras foi a maior vencedora desta primeira fase do leilão, com participação em 13 dos 14 blocos arrematados na Bacia Potiguar.

A estatal levou sozinha os blocos POT-T-515, POT-T-560, POT-T-600, POT-T-602, POT-T-609, POT-T-610, com o maior bônus pago de R$ 1,710 milhão pelo bloco POT-T-600. Em parceria com a Partex (50% cada), sediada nas Ilhas Cayman, a Petrobras ficou com os blocos POT-T-556 e POT-T-601, este último por R$ 2,350 milhões, o maior bônus pago por um bloco desta bacia.

Já em parceria, também de 50%, com a portuguesa Petrogal, a estatal arrematou os blocos POT-T-563, POT-T-564, POT-T-608, POT-T-699 e POT-T-743, com o maior valor, de R$ 2,301 milhões, pago pelo bloco POT-T-699.

O único bloco arrematado no qual a Petrobras não tem participação foi o POT-T-603, arrematado pelo consórcio Sipet, Companhia de Exploração e Produção de Petróleo e Gás, Orteng, Cemig e Codemig, que pagou R$ 2 milhões pelo bloco.

(Rafael Rosas | Valor Online)