Um avião da TAM precisou reduzir o peso para decolar sob chuva, no domingo à tarde, após escala no Aeroporto Professor Eribelto Manoel Reino, em São José do Rio Preto, no interior paulista. Dez passageiros precisaram desembarcar do Airbus A319 que fazia o vôo 3745 entre Cuiabá e São Paulo, com 120 pessoas a bordo.

O grupo desceu espontaneamente, entendeu a situação e não reclamou. Por meio da Assessoria de Imprensa, a TAM informou que o aeroporto paulistano tem restrições quando chove e "a aeronave não poderia decolar com o peso que estava". As normas que estabelecem a redução do peso são da Aeronáutica.

Segundo o controle aéreo de Rio Preto, o Aeroporto de Congonhas estava sem teto, por causa da chuva, e a visibilidade era de menos de 2 mil metros naquele horário. "Recebemos esse aviso", confirmou o controlador Alceu Araújo. Mas ele não quis comentar se a torre de Congonhas exigiu a redução do peso do A319, por causa da chuva que caía na Região Metropolitana. A torre de Congonhas também se recusou a comentar o assunto, mas a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) admitiu que há restrições no aeroporto paulistano quando a pista está molhada. O Centro de Comunicação Social da Força Aérea Brasileira (FAB), em Brasília, informou que "a torre não controla peso de aviões". "Quem controla o peso é o piloto e a companhia aérea", afirmou o tenente Silva.

O desembarque atrasou em uma hora e meia a decolagem. O Airbus só levantou vôo do aeroporto de Rio Preto às 15h30. Os dez passageiros "extras" viajaram para São Paulo no fim da tarde, em outro vôo. Foi o que ocorreu, por exemplo, com a dona de casa Shirley Prata de Oliveira, que veio de Cuiabá para São Paulo com dois netos. "Preferi não arriscar e desci do avião. Eles pediram gentilmente a quem pudesse aguardar o próximo vôo que deixasse o avião. Decidi sair por causa da chuva. A tripulação foi muito gentil e os passageiros entenderam a situação."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.