Autoridade monetária reviu para baixo IPCA no ano, mas alerta que vigor do mercado de trabalho pode exercer pressão sobre preços

O Banco Central (BC) alertou pela primeira vez que o forte desempenho do mercado de trabalho com baixo índice de desemprego, atualmente em 6,7%, tem elevado a pressão de diversas categoriais de trabalhadores por aumentos salariais com ganho real acima da inflação. Esse quadro, segundo o BC, representa um risco ao cenário econômico já que pode haver um aumento generalizado de preços nos próximos meses.

Segundo a autoridade monetária, o nível de emprego tem crescido de forma vigorosa, e atingiu a mais baixa taxa de desemprego desde o início da série histórica, em março de 2002. "O rendimento médio real, depois de oscilar ao longo de 2009, tem crescido desde o início do ano. O risco nessas situações é o de que o aquecimento no mercado de trabalho leve à concessão de aumentos nominais dos salários em níveis não compatíveis com o crescimento da produtividade, o que, em ambiente de demanda aquecida, tendem a ser repassados aos preços ao consumidor", cita o BC no Relatório Trimestral de Inflação divulgado nesta quinta-feira.

O presidente interino da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Benjamin Steinbruch, já havia manifestado essa semana a preocupação com o avanço dos ganhos salariais, que neste ano registram índices de reajuste acima de 10% para várias categorias profissionais. "Como a inflação está em 4,5%, isso representa um ganho real de 5%."

Para o economista Homero de Azevedo Guizzo, da consultoria LCA, o Banco Central tem como meta manter a inflação sob controle e o baixo desemprego tem contribuído para pressionar a alta dos salários para níveis acima da capacidade de produção em alguns setores. “Desemprego baixo é saudável para a economia, mas o atual nível tem ampliado as pressões por aumentos. Em alguns casos, essa apreciação da remuneração pode ser repassado para os preços, estimular a inflação e alimentar uma nova pressão por aumentos de salários, tendo um impacto direto no avanço da inflação”, disse.

Ontem os sindicatos dos bancários em todo o País decidiram entrar em greve nacional por tempo indeterminado. A categoria reúne 470 mil bancários em todo o Brasil ligados a 130 sindicatos e pleiteiam 11% de reajuste, além de aumento na participação sobre os lucros, entre outras reivindicações.

O presidente da Força Sindical, Miguel Eduardo Torres, discorda da visão apresentada pelo Banco Central. Segundo ele, a questão dos aumentos salariais não representa risco para a economia e vai ajudar a manter o ritmo de crescimento do País. “A visão do BC é muito conservadora. O Brasil conseguiu atravessar a crise com resultados positivos porque houve entre outros aspectos, aumento do salário mínimo e recuperação do poder de compra em diversos setores. Houve expansão do consumo e pressão por aumento da produção beneficiando também os empresários”, disse o sindicalista.

Projeção revisada

Apesar da ressalva, a projeção do Banco Central para a inflação oficial medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2010 foi revisada e reduzida de 5,4% para 5% pela autoridade monetária, segundo dados do Relatório Trimestral de Inflação.

Para 2011, a estimativa para o IPCA caiu de 5% para 4,6%. Segundo o BC, as projeções são feitas com base na expectativa de manutenção da taxa de câmbio em R$ 1,75 por dólar e a taxa Selic (juro básico da economia) em 10,75% ao ano. No documento anterior, referente a junho, as previsões foram construídas com câmbio em R$ 1,80 e taxa Selic de 10,25%.

O BC também divulgou a revisão das estimativas trimestrais para a inflação. No acumulado de 12 meses no primeiro trimestre de 2011, a expectativa recuou de 4,9% para 4,4%. Para os 12 meses encerrados ao fim do segundo trimestre do próximo ano, a estimativa caiu de 4,8% para 4,4%. Para o terceiro trimestre de 2011, a previsão cedeu de 5% para 4,7%.

O BC também reduziu a estimativa para a inflação acumulada em 12 meses até o primeiro trimestre de 2012 de 5,1% para 4,7%. Já para o segundo trimestre de 2012, a estimativa cedeu de 4,8% para 4,4%. Por fim, o BC estimou pela primeira vez o IPCA em 12 meses até o fim do terceiro trimestre de 2012, em 4,4%. O centro da meta de inflação para 2010, 2011 e 2012 é de 4,50%, com margem de dois pontos para cima ou para baixo.

(Com Agência Estado)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.