Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Atuação do BC estimula compra e dólar fecha a R$ 2,33 na máxima do dia

SÃO PAULO - Depois de testar mínimas a R$ 2,301, o dólar comercial fechou a terça-feira em alta ante o real. As compras se acentuaram depois que o Banco Central vendeu moeda no mercado à vista a R$ 2,315.

Valor Online |

Ao final do pregão, o dólar comercial era negociado na máxima do dia, a R$ 2,328 na compra e R$ 2,330 na venda, o que representa alta de 0,86% sobre o fechamento de ontem.

Na roda de "pronto" da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), a moeda teve valorização de 0,91%, fechando a R$ 2,329. O giro financeiro somou US$ 193,25 milhões.

Segundo o analista da Corretora Liquidez, Mário Paiva, os investidores estrangeiros estão com mais de US$ 13 bilhões em contratos comprados, ou apostas contra o real na BM & F. Por isso, vai ser difícil ver a moeda abaixo de R$ 2,30.

Além disso, lembra o especialista, começam as movimentações para a formação da Ptax (média das cotações ponderada pelo volume), que liquidará os contratos futuros de fevereiro e, pelo ambiente atual, a pressão no preço deve ser para cima.

Fazendo uma análise mais técnica, o especialista aponta que a volatilidade nas opções de dólar para o primeiro vencimento (fevereiro) está em 22%, patamar menor que o observado no período mais agudo da instabilidade externa, mas ainda elevado se comparado aos 13% a 15% tidos como normais. E isso quer dizer que qualquer oscilação de preço é possível.

Ainda de acordo com Paiva, um assunto muito comentado nas mesas de operação foi a decisão do governo de exigir licença prévia de importação para mais de 60% dos produtos que entram no país. E, segundo o especialista, a avaliação geral dessa medida, tida com intervencionista, foi negativa.

Ampliando a análise, o analista aponta que os problemas globais estão cada vez mais se agravando e sinal claro são as rodadas diárias de demissões e as revisões para baixo no lucro das empresas. "Não vejo melhora no curto e médio prazo, o período ainda é de desvalorização dos ativos."
(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG