Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Até empresários agrícolas cobram regras claras para Amazônia, diz Minc

BRASÍLIA - O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, reforçou hoje que a conclusão do macrozoenamento da Amazônia Legal deve sair ainda este ano. Segundo ele, até mesmo os empresários agrícolas têm cobrado do governo regras claras para a região.

Valor Online |

Minc avaliou que, uma vez traçada o que chamou de "fronteira de legalidade", será possível saber ao certo quem vai receber crédito, apoio técnico e estímulo para produzir na Amazônia. E quem insistir em permanecer à margem da lei, segundo o ministro, receberá " a mão pesada " da Polícia Federal, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) e do Exército Brasileiro. "Essa é a forma de preservar a Amazônia, olhando para o desenvolvimento sustentável. "
Para Minc, entretanto, a estratégia de efetivar o zoneamento econômico e ecológico para cada um dos nove estados que compõem a região possibilita que a preservação na Amazônia não aconteça apenas "com polícia", mas por meio do ordenamento do desenvolvimento.

"Cada um dos zoneamentos determina, por exemplo, áreas que devem ser protegidas, áreas degradadas e que devem ser recuperadas, áreas propensas a alguma atividade industrial. É a ideia de um ordenamento que combine a preservação com a atividade. Afinal, 24 milhões de pessoas moram na Amazônia e têm que ter uma vida digna, uma ocupação, uma renda", afirmou o ministro.

Sobre a BR-163, Minc classificou a região que corta a rodovia como "desastre ecológico" e "desgraça" e ressaltou que todas as medidas adotadas para a futura BR-319 foram pensadas de maneira que a devastação não tome conta do local como ocorreu com a BR-163.

Segundo Minc, desde 2005 - ano em que a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva já havia previsto a ideia de um corredor ecológico para a região - o desmatamento na BR-163 triplicou.

"Estive lá mais de três vezes. Temos leilão de boi pirata, de madeira pirata, prendemos gente. Mas voltamos um mês depois e está a mesma desgraça. A situação lá é muito preocupante. Conseguimos um recurso de oito milhões de euros da comunidade europeia para implantar o distrito florestal da BR-163, mas a diferença tem que ser implantar previamente as defesas. Elas não podem ficar no papel", disse.

(Agência Brasil)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG