Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ata do Fed abre possibilidade de alta de juro para conter inflação

SÃO PAULO - Os integrantes do Comitê de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), do Federal Reserve (Fed) abriram espaço para uma possível elevação da taxa básica de juros do país no futuro. Um número de participantes se preocupou com a possibilidade de que o núcleo de inflação não arrefeça no próximo ano, a menos que a política monetária seja apertada mais cedo do que os mercados financeiros esperam hoje, diz trecho da ata da reunião realizada dia 5 de agosto.

Valor Online |

O documento dá a entender que o debate sobre as tendências da inflação dominou o encontro do dia 5. Alguns se mostraram céticos quanto à trajetória descendente dos núcleos dos indicadores e temerosos de que esse quadro piore as expectativas futuras de inflação. Outros, porém, foram mais otimistas, apontando a recente queda do preço do petróleo e outras commodities. Lembraram ainda que a economia do país deverá crescer abaixo do potencial até a primeira metade de 2009. Essa fraqueza, por sua vez, tenderá a amortecer as pressões inflacionárias no país.

De qualquer forma, na reunião do dia 5, a maioria dos membros do FOMC avaliou que os riscos de desaceleração da economia americana eram maiores do que os relacionados à inflação nos próximos meses. Essa foi a razão para a manutenção do juro básico dos Estados Unidos em 2% anuais. Novamente, o Comitê assegurou que qualquer mudança no ritmo da política de juros vai depender dos desdobramentos econômicos e financeiros e as implicações para o horizonte do crescimento econômico e da inflação.

O dirigente do Fed de Dallas, Richard Fisher - único dos 11 integrantes a votar a favor da alta do juro na última reunião - justificou sua posição informando que não está convencido de que a forte pressão inflacionária vigente se arrefeça.

Ainda na minuta, os integrantes mostram apreensão em relação aos problemas de liquidez das financeiras de hipotecas Fannie Mae e Freddie Mac e afirmam que as pressões sobre essas companhias continuam.

(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG