Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Associação prevê caos na Copa-14 sem investimento em aeroportos

O crescimento da economia brasileira deve impulsionar a expansão da frota da aviação executiva. A Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag) projeta crescimento de 10% ao ano da frota nacional entre 2007 e 2010.

Agência Estado |

A taxa média anual de expansão da aviação geral, nos últimos 15 anos, era de 2,23%. Com isso, a expectativa é de que o número de aeronaves, entre jatos, helicópteros e turboélices, passe de 1.650 para 1.950 unidades.

"Por isso, defendemos com urgência um novo aeroporto no Estado de São Paulo", afirmou o presidente da Abag, Rui Aquino. Segundo ele, a maior utilização dos aeroportos de Jundiaí (SP) e do Campo de Marte, na capital, não é suficiente para comportar a expansão prevista para os próximos anos. Hoje, a frota da aviação executiva representa 14,8% do número de aeronaves da aviação civil brasileira, que tem um total de 11.100 unidades.

A Abag ainda defende a necessidade de investimentos para dobrar a capacidade aeroportuária do País. "Do jeito que está não vamos suportar a Copa de 2014", ressaltou o vice-presidente da organização, Adalberto Febeliano. Segundo ele, são esperados 500 mil turistas só para a Copa. Para acompanhar os jogos, cada turista deve fazer entre 6 e 14 viagens num mês, o que causará movimento adicional de 4 milhões de pessoas nos aeroportos - o dobro do atual.

Febeliano disse que o crescimento de 10%, ou de 150 aeronaves por ano, será atingido plenamente. "As compras dessas aeronaves já foram feitas e só estão à espera da entrega", afirmou. Segundo o executivo, os fabricantes de aeronaves já despertaram para esse mercado. "A Embraer já tem seis modelos prontos, voando ou em fase de certificação. Apenas o governo não identificou a aviação executiva como vetor de desenvolvimento", criticou Febeliano.

Atualmente, a aviação executiva no País é composta por 1.650 aeronaves - das quais 650 helicópteros, 350 jatos e 650 turboélices. Dessa frota, 35% está concentrada em São Paulo. "Verificamos um forte crescimento da aviação executiva na região Centro-Oeste", informou Aquino.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG