BUENOS AIRES (Reuters) - A Secretaria de Agricultura da Argentina refinou nesta quinta-feira a sua estimativa para a área de soja em 2008/09, dizendo agora prever um recorde de 18 milhões de hectares, contra 16,6 milhões de hectares na temporada passada. No mês passado, o governo da Argentina havia estimado o plantio entre 17,8 e 18,2 milhões de hectares.

Os agricultores da Argentina, o terceiro produtor mundial de soja atrás dos Estados Unidos e Brasil, têm dedicado cada vez mais terras para a oleaginosa nos últimos anos.

Na temporada 08/09, uma seca prolongada, que afetou o trigo, e a alta nos preços fertilizantes, que elevou os custos de produção de milho, liberaram mais terras para o plantio de soja em detrimento dos outros dois cereais.

"A área de soja deve se expandir dentro de terras que não foram usadas para o trigo devido a problemas de seca e também por causa da expectativa de lucros mais razoáveis", afirmou a secretaria em um relatório mensal.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) prevê uma safra argentina de 50,5 milhões de toneladas.

A Argentina é também um importante exportador de trigo, mas a seca forçou os fazendeiros a abandonarem parte dos campos que deveriam ter sido dedicados ao cereal.

O governo também revisou a sua previsão de safra de trigo para 10,1 milhões de toneladas, ante um intervalo de 9,5 a 11 milhões de toneladas previstas em outubro.

Na temporada passada, a Argentina produziu 16,3 milhões de toneladas de trigo. O país é o principal fornecedor de trigo para o mercado brasileiro.

A secretaria informou também que geadas e o uso mais reduzido de fertilizantes afetaram a produtividade do trigo.

Ao mesmo tempo, o governo também reduziu levemente a sua previsão para a área plantada com milho, para 3,34 milhões de hectares, ante 3,4 milhões na previsão de outubro.

(Reportagem de Helen Popper)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.