aumento grande no número de turistas, mesmo com crise - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Argentina nota aumento grande no número de turistas, mesmo com crise

Londres, 10 nov (EFE) - A Argentina ainda não sentiu reflexos da crise financeira mundial e mantém um aumento muito grande no turismo receptivo, além de registrar o início da segmentação de certos produtos de lazer, afirmou hoje em Londres o subsecretário de Turismo argentino, Daniel Aguilera.

EFE |

O país segue contabilizando um grande aumento no número de estrangeiros que visitam a nação e busca a forma de continuar sendo "sustentável".

A afirmação foi feita à Agência Efe pelo responsável de Turismo, que participa da 28ª edição da Feira Internacional de Turismo de Londres (WTM, em inglês), um dos encontros mais importantes da indústria, e que começou hoje com uma ampla presença da América Latina.

Aguilera disse que 2008 foi um ano "muito bom" para o setor turístico argentino, "com um crescimento que vai ficar em 11% de turistas".

"Na Argentina, nos últimos anos, além de ter um aumento muito grande no turismo receptivo, dos estrangeiros que nos visitam, o que começou a ocorrer foi a segmentação de certos produtos turísticos", explicou.

Ele exemplificou com o caso do turismo de golfe, do turismo de resort e, "obviamente, o tráfego turístico em geral continua sendo muito grande".

O subsecretário argentino destacou a importância da realização em 2009 da nova versão do Rali Dacar, que será disputada na Argentina e no Chile, "um acontecimento muito importante para a difusão do país".

Outros dados animadores citados por Aguilera foram o aumento do "gasto médio do turista" e a inauguração, há duas semanas, de três rotas aéreas novas da British Airways de Londres a Buenos Aires, o que faz com que a capital britânica conte, agora, com sete vôos semanais para a capital argentina.

Segundo ele, ainda é "cedo" para fazer uma avaliação do impacto da crise financeira que afeta os mercados mundiais, "já que as últimas (estatísticas) mantêm 6% de aumento com relação ao mesmo período do ano passado, mas obviamente, em nível mundial temos que ver como tudo acaba de ser acomodado". EFE prc/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG