Tamanho do texto

Buenos Aires, 22 - A Argentina está prestes a ver uma safra recorde de soja nesta temporada e, embora a expectativa seja de que novas chuvas favoreçam a produção, há preocupações sobre eventuais problemas causados pelo excesso de umidade. A colheita deve começar no próximo mês e o clima chuvoso pode provocar o desenvolvimento de pragas e atrasar o trabalho das máquinas no campo.

O país é o terceiro maior exportador mundial de soja, atrás apenas de Estados Unidos e Brasil, e lidera a exportação de farelo e óleo de soja. Alguns analistas avaliam que a produção será superior a 55 milhões de toneladas neste ano-safra, um aumento de 73% em relação à safra anterior, que foi abatida pela seca. Além disso, seria 13% maior do que o antigo recorde.

Mas o vice-presidente da corretora Panagricola, Ricardo Baccarin, afirma que a incidência de chuvas ao longo da região dos Pampas, com possibilidade de precipitação maior do que a média no fim da temporada, formaria "um clima muito estressante" que pode afetar a produtividade. A colheita costuma evoluir até julho. Baccarin espera produção de 51 milhões de toneladas, ainda um novo recorde, mas significativamente abaixo de outras previsões.

O analista da Granar S.A., Adrian Seltzer, acredita que a safra de soja será maior, com 53,4 milhões de toneladas, "caso as doenças associadas à alta umidade não se espalhem muito no fim da temporada". O analista Francisco Mariani, da empresa de serviços agrícolas Lartirigoyen, é ainda mais otimista, pois espera ver 55,3 milhões de toneladas. No entanto, ele também demonstrou preocupação a respeito de um eventual atraso na colheita provocado pelas chuvas. Mariani entende que a infraestrutura será muito forçada pela grande safra.

Ele acredita que o grande problema durante a colheita será a oferta limitada de colheitadeiras e caminhões, pois o clima pode causar bloqueios de estradas rurais e dificultaria o transporte. "Existe potencial para uma safra enorme, mas ela ainda está em risco", opinou. Apesar das preocupações, até o momento tudo parece evoluir normalmente.

"A safra está em condições de muito boas a excelentes na grande maioria das lavouras. Dentro de um mês, a produtividade será determinada", disse Mariani. Enquanto isso, a safra de milho também está em boas condições, fortalecida pelas chuvas em importantes períodos de crescimento. A Argentina é o segundo maior exportador de milho.

De acordo com o Ministério de Agricultura, a produção total de milho neste ano poderá atingir de 19 a 21 milhões de toneladas. A maioria dos analistas prevê algo entre 19 e 20 milhões de toneladas. Isso representa um aumento significativo na comparação com as 12,6 milhões de toneladas do ciclo passado. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.