SÃO PAULO - Em comunicado ao mercado, a Aracruz negou hoje que tenha a intenção de vender a participação de 50% que possui na Veracel Celulose, joint venture controlada igualitariamente com a sueco-finlandesa Stora Enso. A possibilidade foi considerada pelo mercado especialmente em razão da situação financeira da Aracruz, que sofreu prejuízo de US$ 2,13 bilhões em operações no mercado financeiro e que está negociando esse débito com seus credores.

No documento, o novo diretor de Relações com Investidores da Aracruz, Marcos Grodetzky, garantiu que a empresa não mantém negociações com nenhum representante ou emissário da Stora Enso.

O presidente da Aracruz, Carlos Aguiar, reforçou a afirmação ao discorrer sobre a importância estratégica da Veracel. "Em nenhum momento cogitamos vender nossa participação na Veracel; pelo contrário, autorizamos o prosseguimento das aquisições de terras e do desenvolvimento de florestas, bem como com o estudo de viabilidade do projeto de expansão, Veracel 2", disse.

Localizado no município de Eunápolis, no sul do Bahia, o complexo fabril da Veracel tem a capacidade de produzir 1 milhão de toneladas anuais de celulose branqueada de eucalipto. Conta ainda 90 mil hectares de plantios de eucalipto e cerca de 115 mil hectares de reservas nativas.

(Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.