Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Aposentadoria de aviões vai economizar US$ 1,35 bi em manutenção

SÃO PAULO - As companhias aéreas mundiais vão economizar US$ 1,35 bilhão por ano em manutenção de aeronaves por conta da retirada de operação de seus aviões mais antigos. Pouco eficientes no consumo de combustíveis, esses aviões se tornaram inviáveis economicamente num cenário de alto preço do petróleo, afirma a consultoria AeroStrategy.

Valor Online |

Embora boa notícia para as companhias, que buscam reduzir seus custos, essa aposentadoria de aeronaves tem impacto direto sobre a indústria de manutenção, reparo e atualização de aviões (MRO, na sigla em inglês).

Nos últimos meses, mais de 25 companhias anunciaram a aposentadoria de aeronaves, num total de 610 aparelhos - ou 3,2% da frota mundial em atividade. De acordo com a consultoria, 67% desses aviões são modelos mais antigos das famílias 737 da Boeing, MD-80 e DC-9 da McDonnell Douglas (hoje parte da Boeing). O levantamento da AeroStrategy mostra ainda que perto de 80% desses aviões operam em frotas baseadas na América do Norte.

A economia para as companhias aéreas, porém, significa a perda de cerca de 3% na receita total da indústria de MRO. Anualmente, segundo a AeroStrategy, as empresas desse ramo giram US$ 45 bilhões.

Segundo a consultoria, caso os preços do petróleo se mantenham em alta, um total de 1200 aeronaves pode ser retirado de serviço. Isso reduziria os gastos anuais com manutenção em US$ 2,8 bilhões, uma retração de 6% ante a média atual.

Pelas contas da AeroStrategy, o ritmo anual de crescimento na indústria de MRO cairá dos atuais 3,1% em média para 2,2% por ano nos próximos dois anos.

Leia tudo sobre: avião

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG