Tamanho do texto

Jacinto Evaristo Costa, de 67 anos, ainda reluta em deixar a casa simples, herdada do pai, onde mora há 55 anos, na Vila Paciência, em Itabira (MG). Vontade não tenho, mas a mina está muito agarradinha.

Quando dá um foguinho (explosões), a casa balança toda, trinca tudo", reclama. Ele afirma que já recebeu oferta de R$ 120 mil da Vale pelo imóvel, de seis acanhados cômodos, e dois barracões nos fundos.

"É pouco demais", diz Costa, receoso de não encontrar outro local para morar. "Não pensei ainda para onde ir. Com essa história, o imóvel em Itabira encareceu muito. Todo mundo está de olho grande."

Vizinho de Costa, o comerciante Carlos Roberto Fernandes, de 50 anos, não tem do que reclamar. Há dois anos ele pagou R$ 72 mil por uma casa de 234 metros quadrados de área construída.

Recentemente, acertou com a Vale a venda do imóvel por R$ 285 mil. "Já comprei sabendo que um dia ou outro teriam de indenizar esse pessoal."

Outro relato comum entre os moradores é em relação às "nuvens de poeira" que costumam cobrir a região. "A poeira come toda a cidade, não podemos ter persiana, cortina...", disse uma moradora da Vila Paciência, que pediu para não ser identificada porque ainda negocia com a Vale. Na residência confortável da família, várias trincas estão visíveis.

"Nossa casa nunca esteve à venda, mas já não estamos nem ligando de ir embora. O terreno aqui está cedendo. Quando dinamita, tudo balança. Por isso não tem um quadro na parede."

Responsável por conduzir as negociações, o gerente de Planejamento e Aquisições da Vale, André Flores, afirma que o projeto surgiu de uma demanda da própria comunidade, embora moradores tenham sido surpreendidos com a notícia publicada na imprensa local em janeiro deste ano.

Segundo Flores, o projeto "não tem data para terminar". "É um processo de negociação amigável, é um processo privado, não existe nenhum instrumento judicial. Não forçamos essas aquisições."

Mas há quem se sinta obrigado a deixar a região. Elismar Dias Lage, de 30 anos, administra com o pai uma mercearia, conjugada com um açougue, na Vila Paciência. A venda da residência da família está sendo negociada com a mineradora, mas o comércio ficou de fora do projeto.

"Eu tinha plano de crescer, mas como vou investir na loja se a tendência é reduzir a clientela? Vou ter de começar do zero. Eu não tinha intenção de sair do bairro onde nasci, mas agora me sinto obrigado", diz Elismar Lage.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.