O resgate da Fannie Mae e Freddie Mac, gigantes da hipoteca dos EUA, pode custar US$ 100 bilhões ao contribuinte americano, mas o governo não tinha opção, diz Dean Baker, co-diretor do Center for Economic and Policy Research. Como o sr.

avalia o pacote para resgatar a Fannie e a Freddie?

Dado que estamos em uma situação complicada e deixar a Fannie e a Freddie quebrarem estava fora de cogitação, o resgate é uma boa idéia. Se o problema continuasse se deteriorando, a situação do mercado imobiliário ia piorar e os juros das hipotecas aumentariam.

Por que chegou a esse ponto, se muitos observadores alertavam que as duas empresas estavam ficando grandes demais e que tinham poucas reservas de capital?

Fannie e Freddie sofreram por causa da falta de regulamentação, um problema que atingiu todo o mercado imobiliário. Veja por exemplo a concessão de empréstimos para pessoas que não tinham condições de pagar. O grande problema é que o governo deixou a bolha imobiliária crescer e se transformar em um monstro. Em 2002 já era óbvio que tínhamos uma bolha.

Quanto vai custar esse resgate?

O governo fala em US$ 25 bilhões, o que eu acho otimista demais. Se eles garantem mais de US$ 5 trilhões em dívidas, não é pouco provável que tenham perdas de 3% ou 4%. William Poole (ex-diretor do Fed em St Louis) fala que o governo vai arcar com uma conta de uns US$ 300 bilhões, que considero exagerado. Nossos cálculos ficam mais para US$ 100 bilhões, mas sempre é um tiro no escuro.

Qual é o efeito dessa despesa sobre o déficit dos Estados Unidos?

O déficit será de cerca de US$ 400 bilhões este ano, então é claro que US$ 100 bilhões serão um grande impacto. Mas este dinheiro já estava perdido. Foi perdido quando fizeram empréstimos para pessoas que não podiam pagar e Fannie e Freddie compraram os papéis desses empréstimos.

Quem perdeu com o resgate?

Os acionistas da Freddie e Fannie, que tiveram o valor de suas ações diluído (eram ações sobre 100% das empresas, passaram a ser sobre 20%, já que o governo assumiu 80%). Grandes ganhadores foram os compradores de títulos garantidos pela Fannie e Freddie, que se arriscavam a tomar um calote, embora sempre houvesse a expectativa de que o governo americano interviria. Mas os mutuários também se beneficiam, porque o socorro garante a manutenção de taxas de juros razoavelmente baixas nas hipotecas. O governo fez o que precisava ser feito.

É o começo do fim da crise?

Ainda temos um longo caminho a percorrer. Os estoques de casas não vendidas estão altíssimos. Pelo menos agora os mercados financeiros vão funcionar melhor. Não haveria uma recuperação sem esse socorro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.