Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Após rejeição do plano nos EUA, dólar dispara 6%

Por Jenifer Corrêa SÃO PAULO (Reuters) - O dólar disparou 6 por cento nesta segunda-feira com o agravamento do cenário internacional após a rejeição nos Estados Unidos do pacote de resgate ao setor financeiro.

Reuters |

A moeda norte-americana fechou cotada a 1,964 real, em alta de 5,99 por cento, maior valorização percentual diária desde janeiro de 2002, quando o mercado refletia as incertezas com as eleições daquele ano. O fechamento foi o mais alto desde setembro de 2007.

"O temor que o mercado tem é quando não consegue precificar, não consegue saber o que vai acontecer. Talvez a gente tenha batido nessa situação nesse exato momento", disse Marcos Forgione analista da Hencorp Commcor Corretora.

Refletindo o nervosismo generalizado, as bolsas de valores derretiam. O principal índice da Bovespa ultrapassou 10 por cento de perdas pela primeira vez desde 1999, o que causou a suspensão das operações por alguns minutos durante a tarde. Nos Estados Unidos, os principais índices operavam em queda de mais de 6 por cento.

Por 228 votos a 205, o pacote de regaste de 700 bilhões de dólares foi rejeitado na Câmara dos Deputados nesta segunda-feira. O plano proposto em 20 de setembro foi derrotado por parlamentares, tanto republicanos quanto democratas, céticos em relação à necessidade e à eficácia dele.

"A situação é crítica, realmente o mercado não esperava (a rejeição do pacote) de maneira geral", comentou Forgione.

Neste cenário de enorme incerteza, os analistas dizem que o melhor é esperar.

"Eu acho que é um momento de preocupação, momento de não fazer nada", disse Mario Battistel, gerente de câmbio da Fair corretora.

Nesta segunda-feira, o Banco Central vendeu apenas 11 mil contratos dos 42,4 mil ofertados em um leilão de swap cambial reverso, em uma operação equivalente a aproximadamente 527 milhões de dólares.

Para Battistel, apesar do baixo número de propostas aceitas nesse leilão, o fato não teve grande influência no mercado de câmbio. "Estamos sendo arrastados pelo mercado internacional".

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG