SÃO PAULO - Depois de o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, ter ordenado a retomada das exportações de gás para Europa através da Ucrânia a partir de hoje, a União Européia (UE) informou que, até o momento, pouco ou nenhum gás está fluindo por essa via. Uma porta-voz da UE disse que a informação partiu dos observadores internacionais colocados para acompanhar a disputa entre Rússia e Ucrânia a respeito do preço do gás e que suspendeu o fornecimento para a Europa por quase uma semana.

A Gazprom, estatal russa responsável pela exportação do produto, acusou a Ucrânia de ter bloqueado os gasodutos.

A representante da UE enfatizou a urgência do continente em ver restabelecido o fornecimento, uma vez que o gás russo é usado em aquecimento e iluminação e a Europa está vivendo um inverno rigoroso. O gás russo abastece cerca de um quinto do consumo total da UE, e 80% dele passa pela Ucrânia.

Na virada do ano, Rússia e Ucrânia chegaram a um impasse na disputa comercial sobre o preço do gás natural. A Gazprom cortou o fornecimento para a Ucrânia, mas também acusou o país de ter fechado gasodutos e de roubar gás. O governo ucraniano rebateu que o corte era de responsabilidade da Gazprom e que a Rússia queria denegrir o nome da Ucrânia.

(Valor Online, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.