Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Anfavea garante que investimentos serão mantidos

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Jackson Schneider, garantiu hoje que a crise do sistema financeiro não vai interromper os investimentos no País anunciados pela cadeia automotiva até 2012, que totalizam US$ 23 bilhões e vão ampliar a capacidade produtiva das montadoras para 6 milhões de unidades ao ano em 2013. Schneider afirmou que a manutenção dos investimentos se baseia na confiança das montadoras de que o governo vai assegurar liquidez ao sistema e acesso ao crédito à população.

Agência Estado |

"A indústria automobilística não pensa em termos conjunturais apenas. Nós vivemos a conjuntura, mas planejamos em termos de estrutura. Nós pensamos e reagimos a longo prazo, e trabalhando com essa perspectiva de futuro de anos à frente. As nossas decisões estão mantidas quanto a investimentos, senhor presidente. Nós não temos nenhuma perspectiva de alteração daquilo que foi anunciado", disse ele, durante discurso na abertura do 25º Salão Internacional do Automóvel, no Anhembi, na capital paulista.
Ele ressaltou a importância do crédito para a indústria automobilística. "Neste momento de desafio para o nosso setor e para o mercado interno, a irrigação e a liquidez permanente do crédito são um fator capital para a indústria automotiva brasileira. O crédito e os financiamentos movimentam nossas vendas, movimentam nossas vidas", disse.
"Nós confiamos na capacidade brasileira de superação, com a adoção de politicas necessárias que assegurem esse dinamismo que nós alcançamos, garantindo aos brasileiros acesso aos bens que quiserem consumir", declarou. "Confiamos, sem reservas, que essas condições de acesso ao crédito serão estabelecidas a pleno, como sempre tivemos, a todos os brasileiros que quiserem adquirir produtos, inclusive produtos da indústria automotiva", acrescentou.
Schneider ressaltou que a relação que a Anfavea estabeleceu com o governo o leva "a acreditar, a ter a confiança de que aquilo que o mercado precisar será feito para que brasileiros tenham condições de ter acesso aos bens".

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG