A companhia petroleira americana Anadarko informou ontem que a jazida encontrada no projeto Wahoo, no pré-sal da Bacia de Campos, pode conter mais de 300 milhões de barris de petróleo. Os primeiros testes no poço Wahoo 1 indicaram uma vazão superior a 15 mil barris de petróleo por dia.

A companhia petroleira americana Anadarko informou ontem que a jazida encontrada no projeto Wahoo, no pré-sal da Bacia de Campos, pode conter mais de 300 milhões de barris de petróleo. Os primeiros testes no poço Wahoo 1 indicaram uma vazão superior a 15 mil barris de petróleo por dia. Segundo o vice-presidente de exploração internacional da companhia, Bob Daniels, o resultado confirma o bom potencial da jazida. Em comunicado divulgado na manhã de ontem, a empresa disse que o teste em Wahoo 1 teve vazão de 7,5 mil barris de petróleo e 112 mil metros cúbicos de gás natural por dia. O desempenho, porém, foi limitado pela capacidade dos equipamentos usados. "Esse teste confirma a produtividade desses reservatórios e acreditamos que o poço seja capaz de uma taxa de produção superior a 15 mil barris de petróleo por dia", afirmou Daniels. Descobertas. Localizado no norte da Bacia de Campos, no litoral capixaba, o projeto Wahoo já tem duas descobertas abaixo da camada de sal. Está numa concessão chamada BM-C-30, próxima ao Parque das Baleias, província petrolífera onde a estatal estima ter encontrado de 1,5 bilhão a 2 bilhões de barris no pré-sal. Foi no Parque das Baleias a primeira produção do pré-sal, em um poço no campo de Jubarte. A Anadarko informou que vai testar agora o poço Wahoo 2, que também já atingiu um reservatório do pré-sal. Segundo o comunicado, os resultados dos testes serão importantes para definir um sistema de produção para o campo, que "tem um potencial de recursos estimado em mais de 300 milhões de barris de óleo". É pequeno, se comparado aos 5 a 8 bilhões de barris de Tupi, mas suficiente para ser considerado um projeto de "classe mundial", diz a companhia. Além disso, o volume pode ser revisto para cima após a perfuração de um terceiro poço, batizado de Wahoo Sul, que será feita após os testes em Wahoo 2. Segundo fonte da companhia, o volume anunciado ontem refere-se apenas à expectativa com os dois primeiros poços perfurados na concessão. Boa qualidade. Segundo o comunicado, o óleo encontrado é de boa qualidade, com 31° API (medida internacional de qualidade do petróleo). A título de comparação, o óleo de Tupi, maior descoberta do pré-sal da Bacia de Campos, tem 28 ° API. Já o campo de Marlim, o maior exportador brasileiro, tem óleo entre 17° e 21 ° API. Quanto maior a gradação, maior o valor de venda do petróleo. Wahoo foi a primeira descoberta do pré-sal feita por um consórcio 100% privado. A concessão foi adquirida em 2004, na 6.ª Rodada de Licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Além da Anadarko, que tem 30%, o consórcio conta com a IBV Brasil Petroleum (joint venture entre a Bharat PetroResources e a Videocon Industries), com 25%, e a sul-coreana SK Corporation, com 20%. Os 25% restantes pertencem à americana Devon, mas serão repassados à britânica BP após a aprovação, pelas autoridades, da compra de ativos mundiais daquela companhia, anunciada no mês passado. O negócio, de US$ 7 bilhões, envolveu projetos no Golfo do México, no Azerbaijão e no Brasil, marcando o retorno da companhia britânica às águas profundas brasileiras, após uma experiência frustrada na foz do Rio Amazonas logo após o fim do monopólio estatal. Anadarko e Devon têm outra descoberta de petróleo no pré-sal do norte da Bacia de Campos, em um poço chamado Itaipu, perfurado no final de 2009. A jazida fica numa concessão chamada BM-C-32, operada pela Devon. A SK também é sócia nesse projeto, cuja operação deve ser assumida pela BP. OS ÚLTIMOS POÇOS 5 de abril Anadarko anuncia resultado dos testes no poço Wahoo, na Bacia de Campos, com produção estimada em 15 mil barris por dia. Reservas podem ultrapassar, segundo estimativas, 300 milhões de barris 23 de março Petrobrás confirma potencial de Tupi (entre 5 e 8 bilhões de barris), na Bacia de Santos, após testes no poço Tupi Nordeste, com produção estimada em 30 mil barris por dia 3 de fevereiro OGX finaliza testes no poço Waimea, na Bacia de Campos, que tem produção estimada em 3 mil barris por dia 8 de dezembro de 2009 Após testes em Iara, na Bacia de Santos, Petrobrás confirma expectativa de reservas entre 3 bilhões e 4 bilhões de barris
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.