Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Anac reduz previsão de expansão do setor aéreo para até 5% em 2009

RIO - A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) trabalha com a expectativa de que o volume de passageiros transportados no mercado doméstico nacional cresça entre 3% e 5% no ano que vem. A projeção representa uma redução em relação à estimativa inicial de 8% anunciada pelo órgão regulador antes da crise internacional.

Valor Online |

De acordo com a diretora-presidente da Anac, Solange Vieira, este ano o mercado doméstico brasileiro deve crescer 7%, também abaixo da expectativa de 10% existente antes da turbulência econômica Internacional.

"Já houve alguma redução de movimento no segundo semestre por causa da crise, por isso reduzimos a projeção também para este ano", disse a executiva, após apresentar hoje, na cidade do Rio de Janeiro, o balanço das operações da Agência em 2008.

De acordo com Solange, o impacto da crise sobre as empresas deverá ser limitado, uma vez que os efeitos até o momento acontecem em maior escala no exterior. A dirigente explicou que TAM e Gol, as duas maiores aéreas do país, têm em média 80% do volume de passageiros concentrado no mercado doméstico.

"Talvez por isso as empresas brasileiras sentirão menos os efeitos da crise", afirmou, lembrando que apesar da revisão das estimativas, a agência ainda aponta para crescimento do mercado.

Entre os dados apresentados hoje, estão os índices de atrasos acima de 30 minutos, que atingiram 14,5% do total de vôos de outubro a novembro, enquanto no quarto trimestre fechado do ano passado esse índice estava em 27,7%.

Em relação ao cancelamento de vôos, em outubro e novembro deste ano o índice ficou 2,8%, contra 5,8% no três últimos meses de 2007. Segundo Solange, a agência considera satisfatório índices entre 10% e 15% para atrasos de vôos de mais de 30 minutos. Por outro lado, vê espaço para reduzir a taxa de cancelamentos. "Acredito seja razoável uma taxa de 1% de cancelamento de vôos com restrições por problemas técnicos e não mais por falta de passageiros", completou.

(Rafael Rosas | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG