#145;Chave do crescimento é a indústria #146; - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

#145;Chave do crescimento é a indústria#146;

As políticas industriais são fundamentais para o desenvolvimento econômico, mas não as que foram adotadas na América Latina a partir dos anos 50. A análise é do chinês Justin Lin, economista-chefe do Banco Mundial.

Agência Estado |

Participante do encontro conjunto da seção latino-americana da Sociedade Econométrica e da Associação Latino-americana e Caribenha de Economia (Lames-Lacea), no Rio, no fim de semana passado, Lin fez uma palestra sobre a sua original visão das premissas do desenvolvimento, que se afastam tanto das recomendações liberais do Consenso de Washington quanto da visão tradicional na América Latina a favor do intervencionismo estatal.

"Muitos países fizeram reformas a partir dos anos 80, mas quase só a China atingiu taxas miraculosas de crescimento por um longo período; acho que todos os países em desenvolvimento podem ter essas taxas, desde que suas políticas econômicas levem em conta que a principal força motriz do desenvolvimento é a melhoria contínua da estrutura industrial e tecnológica", disse Lin, ao Estado, em entrevista durante o encontro Lames-Lacea.

No seu trabalho acadêmico, Lin distingue dois tipos de política industrial: as que confrontam as vantagens comparativas (CAD, em inglês) e as que seguem as vantagens comparativas (CAF).

A América Latina, os países do bloco socialista, a Índia e a própria China, numa primeira fase, praticaram políticas industriais do tipo CAD a partir dos anos 50, todas com resultados muito ruins, segundo Lin. Depois de rápidos surtos iniciais de crescimento, aqueles países acabaram atolados em longos períodos de crise e estagnação. Em vários deles a distribuição de renda piorou - tudo por conta, na visão do economista chinês, da escolha equivocada de política industrial.

Basicamente, Lin defende que os países busquem desenvolver inicialmente os setores nos quais têm vantagens comparativas, o que para ele foi seguido por países como China e, mais recentemente, Vietnã. Aquela estratégia geralmente significa, para países não ricos, investir em indústrias intensivas em mão-de-obra e menos exigentes em termos de capital, como manufaturas leves (calçados, tecidos, brinquedos). Com essa escolha, as indústrias tornam-se competitivas nos mercados nacionais e internacionais e demandam níveis muito pequenos de proteção ou subsídio. A alta lucratividade nesses setores maximiza a rentabilidade do capital e incentiva o crescimento da poupança.

Num segundo momento, à medida que o país vai melhorando as indústrias e a tecnologia, a economia vai transitando gradativamente dos setores intensivos em mão de obra para os intensivos em capital. O fato de vir de trás significa que o país pode adotar e adaptar soluções tecnológicas desenvolvidas nos países ricos, que dependem do custoso e lento processo de invenção para avançar. É por isso que os países emergentes podem se desenvolver muito mais rapidamente do que os ricos.

O governo tem uma série de funções nesta estratégia, na visão de Lin: coletar, processar e distribuir informações sobre indústrias, produtos e tecnologia; coordenar empresas em diferentes setores para o processo de melhoria industrial e tecnológica, garantindo que a arquitetura institucional de sistema financeiro, arranjos comerciais, sistemas de distribuição, marketing e proteção à propriedade intelectual seja a mais adequada possível; e proteger de forma passageira as empresas que primeiro "testam" a política industrial estabelecida.

A opção pela política do tipo CAD basicamente procurava introduzir indústrias pesadas e altamente intensivas em capital, em países subdesenvolvidos. Numa interessante conferência em 2007, na Universidade de Pequim, Lin mostrou como diversos grandes líderes socialistas e nacionalistas do século 20, como o soviético Lenin, o chinês Mao Tsé-tung e o indiano Jawaharlal Nehru, pregaram a necessidade de desenvolver a indústria pesada.

O problema, porém, é que esses setores não tinham condição de se tornar competitivos em países com escassez de capital. Além do custo fiscal e das distorções provocadas pela necessidade de subsidiar e proteger aqueles setores, a indústria pesada absorvia uma parte desproporcional dos recursos de investimento da economia, numa tentativa vã de manter-se na corrida tecnológica com os países ricos. Assim, os setores intensivos em trabalho, que poderiam ser competitivos e deslanchar o desenvolvimento sustentável, ficavam à míngua de capital e não de desenvolviam adequadamente.

"Na minha experiência, o governo inteligente parece ser sempre um governo pragmático, que entende quais são as restrições e quais são as oportunidades e também tem a habilidade de construir um consenso social sobre como atingir aquela meta de política", diz Lin. Para ele, este tipo de governo pode existir tanto em países democráticos como ditatoriais. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG