otimismo moderado do Brasil com retomada da Rodada de Doha - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Amorim reitera otimismo moderado do Brasil com retomada da Rodada de Doha

Brasília, 4 set (EFE) - O Brasil irá com moderado otimismo à reunião que será realizada na próxima semana em Genebra a fim de tentar ressuscitar a Rodada de Desenvolvimento de Doha, assegurou hoje o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.

EFE |

"Se não tivéssemos esse moderado otimismo, não estaríamos empenhados como estamos em ressuscitar essas conversas" no marco da Organização Mundial do Comércio (OMC), disse Amorim a jornalistas.

A representante comercial dos Estados Unidos, Susan Schwab, afirmou hoje em Washington que foi alcançado um acordo para que delegados dos países-membros da OMC se reúnam na próxima semana em Genebra para definir se ainda é possível chegar a um consenso.

"É possível", sustentou Amorim, apesar de ter reiterado que "ainda não há uma fórmula mágica" para superar os obstáculos criados pelas chamadas salvaguardas especiais, um mecanismo de proteção que foi proposto pela Índia e rejeitado pelos Estados Unidos.

As divergências em torno desse mecanismo foram apontadas por muitos como responsáveis pela interrupção das negociações em julho, que deixaram a Rodada de Doha à margem do fracasso definitivo.

Segundo Amorim, há "um consenso conceitual sobre o que podem ser essas salvaguardas, que protegeriam setores frágeis dos países em desenvolvimento" de aumentos bruscos de importações, sobretudo na área agrícola, mas sem criar distorções ao comércio.

"O complicado é levar esse acordo conceitual aos números", disse Amorim, em referência às taxas de importação extraordinárias que poderiam ser aplicadas.

Para o chanceler, um dos mais ativos negociadores na Rodada de Doha, "talvez seja possível retomar o debate após ter respirado" durante o parêntese aberto com a interrupção das discussões em julho passado.

A chave de tudo, afirmou Amorim, estará nessas salvaguardas especiais, as quais qualificou como "a grande ponte a ser cruzada" para salvar as negociações. EFE ed/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG