SUIÇA - O Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, deixou de lado a sutileza diplomática na véspera da reunião de negociação comercial global e disse hoje que os países ricos adotam uma estratégia de desinformação similar a utilizada pelo chefe de propaganda nazista Joseph Göbbels. Desculpem-me por citar o autor, disse Amorim aos repórteres na sede da Organização Mundial de Comércio (OMC), em Genebra, Suíça, onde representantes de 24 países vão se reunir amanhã para tentar dar impulso a conclusão da Rodada Doha de negociações comerciais.

Amorim afirmou que os Estados Unidos, a Europa e outras economias ricas têm deturpado as negociações comerciais da Rodada Doha tão freqüentemente que a percepção pública se tornou totalmente distorcida. As negociações têm falhado desde seu início, em 2001, com o objetivo de tirar milhões de pessoas ao redor do mundo da pobreza por meio da expansão comercial.

Os países mais pobres demandam cortes nas tarifas agrícolas e nos subsídios concedidos pelos países ricos aos seus produtores, dizendo que eles atrasam o desenvolvimento do Terceiro Mundo. Em troca, os países ricos insistem em obter melhor acesso para seus produtos industriais e serviços nos mercados em desenvolvimento.

"Göbbels costumava dizer que se você repetir uma mentira várias vezes, ela se torna uma verdade", disse Amorim. O chanceler brasileiro lembrou que os países ricos estão empregando esta tática ao descrever as concessões agrícolas que eles afirmam que estão dispostos a fazer, ao mesmo tempo que criticam os países mais pobres de se recusarem a liberalizar seus mercados industriais. "Me faz lembrar de Göbbels", afirmou o chanceler brasileiro.

Leia mais sobre: Celso Amorim

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.