Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

América Latina e Caribe têm 182 milhões de pessoas vivendo em situação de pobreza

SANTIAGO - Cerca de 33,2% da população da América Latina e do Caribe, ou 182 milhões de pessoas, vive em condições de pobreza ante 34,1% (184 milhões de pessoas) em 2007. Os números são do panorama social da América Latina 2008, da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), documento divulgado nesta terça-feira em Santiago, no Chile.

Redação com agências |

De acordo com o levantamento, o número de pobres recuou quase um ponto percentual, mas a indigência aumentou, ao passar de 12,6% no ano passado para 12,9% neste ano, ou seja, de 68 milhões de pessoas para 71 milhões.

Para os organizadores do levantamento, os números refletem o impacto do aumento da inflação ocorrido desde o início de 2007, em especial a alta dos preços dos alimentos, embora nos últimos meses esses preços tenham deixado de subir.

A Cepal prevê que a desaceleração econômica mundial se refletirá na região em uma menor demanda por bens de exportação e menor investimento no setor produtivo, junto com uma diminuição das remessas dos imigrantes.

O emprego também apresentará uma desaceleração em 2009, alerta a Cepal, afirmando que o nível de remuneração continuará sem variações ou sofrerá reduções leves. "As previsões indicam uma piora dos ganhos familiares, que se concentrarão nos trabalhadores por conta própria e nos assalariados informais, cujos empregos são mais sensíveis ao ciclo econômico", ressalta o documento.

Neste contexto, é provável que a pobreza e a indigência cresçam levemente. O panorama social da América Latina foi apresentado pela secretária Executiva da Cepal, Alicia Bárcena, que destacou os números obtidos entre os anos de 2002-2007, quando diminuiu o número de pessoas que vivem na pobreza ou na indigência em 9,9% (37 milhões a menos) e 6,8% (29 milhões a menos), respectivamente.

Brasil

A secretária-executiva comentou os avanços sociais registrados pela entidade no Brasil. "Entre 2002 e 2006, o Brasil conseguiu reduzir a pobreza em 1,5 ponto percentual. E entre 2006 e 2007, reduziu a pobreza em 3 pontos percentuais", disse Barcena. "O Brasil é um exemplo de como a pobreza pode ser combatida." 

"O Brasil fez esforços muito importantes, e o programa Bolsa Família foi um dos de maior sucesso para esse avanço social", acrescentou.

Segundo Barcena, a tendência de melhoria social também foi registrada em 2008. "Mas, em 2009, não sabemos o que vai acontecer", disse.

"Acreditamos que países como Brasil estão bem posicionados, porque o emprego aumentou e a produção foi diversificada", afirmou. "O País fez esforços para ter crescimento econômico, mas combatendo a desigualdade social."

Leia tudo sobre: pobreza

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG