LONDRES/FRANKFURT - O principal índice de ações européias fechou a quinta-feira no menor nível desde 4 de agosto, pressionado pela persistente preocupação com o setor financeiro e pela alta do petróleo. Ações ligadas a commodities limitaram a queda do mercado, à medida que as mineradoras acompanharam a alta dos preços de metais e as petrolíferas aproveitaram o avanço do petróleo.

De acordo com dados preliminares, o índice FTSEurofirst 300 caiu 0,86%, para 1.155 pontos.

O HSBC foi a principal influência negativa sobre o índice, com queda de 2,8%, enquanto Santander, Intesa SanPaolo, BNP Paribas, Royal Bank of Scotland e ING recuaram entre 2,3% e 3,7%.

O petróleo subia quase 6 dólares por barril, acima dos US$ 121, por conta de tensões geopolíticas, da queda do dólar e da preocupação com a tempestade tropical Fay, que ainda ameaça estruturas do setor de energia no golfo do México.

BP e Royal Dutch Shell subiram 1,2% e 1,8%, respectivamente.

'O foco continua na crise financeira. Ainda há muita incerteza. A esperança de uma estabilização é adiada de trimestre a trimestre e, de um modo geral, o mercado não consegue se recuperar até que haja clareza', disse David Pieper, analista do banco alemão LBBW.

'Enquanto o setor financeiro cair... o mercado não consegue tocar uma música diferente.'

Em LONDRES, o índice Financial Times fechou com variação negativa de 0,03%, a 5.370 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 1,28%, para 6.236 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 recuou 1,4%, para 4.304 pontos.

Em MILÃO, o índice Mibtel encerrou em queda de 1,07%, a 21.427 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou perda de 1,43%, a 11.217 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 teve desvalorização de 0,31%, para 8.360 pontos.

(Reportagem de Sitaraman Shankar em Londres e Eva Kuehnen em Frankfurt)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.