Tamanho do texto

Hoje promete ser mais um dia de volatilidade na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que iniciou os negócios em queda. Por volta das 10h15 (de Brasília), o índice Bovespa cedia 0,11%, a 59.

357 pontos. Na mínima, o indicador cedeu 0,55%, a 59.092 pontos.

O início dos negócios deve ser marcado pelo mau humor, com os investidores reagindo à notícia de que o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto porcentual para 13% ao ano. Boa parte do mercado esperava uma manutenção do ritmo do aperto monetário, em 0,50 ponto, conforme decisões anunciadas em abril e junho deste ano.

O aumento do juro básico brasileiro pode prejudicar papéis de alguns setores, como siderurgia, construção e consumo. "Esses setores dependem mais do crédito. Se o juro aumenta, o consumidor deixa de comprar", lembra o economista da Alpes Corretora, Fausto Gouveia. Por outro lado, o avanço da Selic deve beneficiar os papéis dos bancos. "O dia é uma incógnita", disse outra fonte.

Ao longo do dia, no entanto, o ritmo deve ser ditado pelas notícias externas, como o comportamento das matérias-primas (commodities), indicadores econômicos e balanços corporativos do Estados Unidos. Ontem, o movimento de vendas na Bolsa se acentuou na última meia hora de pregão e foi alimentado pelo dia ruim nos mercados de commodities.

Ações

Por aqui, a Fosfertil informou que registrou lucro líquido de R$ 402,824 milhões no primeiro semestre de 2008, o que representa um crescimento de 127,44% em relação ao lucro de R$ 177,109 milhões obtido de janeiro a junho de 2007. A receita líquida da companhia nos seis primeiros meses deste ano totalizou R$ 1,563 bilhão, aumento de 47,70%. Os dados referentes ao segundo trimestre não estavam disponíveis.

Ainda na temporada de balanços, a operadora de telefonia Telefônica (Telesp), que anuncia seus resultados após o fechamento do mercado, deve reportar no segundo trimestre deste ano um lucro líquido ligeiramente menor que o anotado em igual período do ano passado. A queda, conforme quatro instituições financeiras consultadas, deve ser de 3,9%, com o lucro líquido da empresa saindo de R$ 603,00 milhões para R$ 579,00 milhões, em média, nestes 12 meses.