Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Alívio dado pelos BCs se esvai e Bolsas oscilam

As esperanças de que a injeção de bilhões de dólares no sistema financeiro pelos principais bancos centrais globais pudesse aliviar o fluxo de crédito rapidamente se esvaneceram e o mercado de ações norte-americano virou rapidamente para território negativo no início de tarde, com os principais índices recuando mais de 1%, novamente liderados pelas perdas das ações do setor financeiro. Contudo, como nos dias anteriores, volatilidade é o nome do jogo e, logo depois, as ações moderavam as perdas e subiam para território positivo.

Agência Estado |

"As pessoas estavam esperando que a injeção de capital do Federal Reserve e outros bancos centrais fosse dar estabilidade, mas o mercado está congelado no lado da renda fixa", disse Owen Fitzpatrick, chefe do grupo de ações americanas do Deutsche Bank. "Os investidores estavam esperando por uma grande mudança estrutural, uma vez que neste momento estamos alvejando uma instituição após a outra, quando eles atingem aquele limiar onde não podem mais operar", disse Fitzpatrick.

As ações do banco de investimentos Morgan Stanley lideram as perdas com uma queda de 28,60%, em meio aos rumores sobre uma possível fusão. As ações do Goldman Sachs também registram uma queda acentuada, de 13,78%. Por outro lado, as ações do Washington Mutual e do Wachovia ainda sustentam um ganho de +12,44% e +23,03%, respectivamente.

Às 14h36 (de Brasília), o índice Dow Jones subia 1,02%, o Nasdaq avançava 0,76% e o S&P-500 registrava alta de 1%.

Na Bolsa de Valores de São Paulo, o movimento é semelhante. Entre altas e baixas, o índice Bovespa avançava 1,76% a 46.717 pontos, logo após ter atingido a mínima de -1,34% (45.205 pontos).

Títulos dos EUA

No mercado de bônus, os preços dos títulos do Tesouro americano (Treasuries) mais uma vez seguem a direção oposta das ações, com respectivo movimento inverso dos juros, impulsionados pelo clássico movimento de fuga para a qualidade.

Às 14h23 (de Brasília), o juro projetado pelos T-Bonds de 30 anos estava em 4,097%; o juro das T-Notes de 10 anos estava em 3,399%; o juro das T-Notes de 2 anos estava em 1,484% ao ano. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG