Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Alimentos ajudam IPCA-15 desacelerar a 0,63% em julho

Por Renato Andrade e Daniela Machado RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A inflação medida pelo IPCA-15 desacelerou mais que o esperado em julho, uma boa notícia para o Banco Central, que decidiu na véspera elevar a taxa básica de juro para 13,0 por cento ao ano para combater o aumento dos preços.

Reuters |

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) subiu 0,63 por cento neste mês, ante 0,90 por cento em junho e mediana das estimativas de 0,67 por cento.

'Apesar de continuar a ser responsável pela maior parte do índice mensal, o grupo Alimentação e bebidas apresentou desaceleração na taxa de aumento de preços', informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

Os preços do grupo tiveram alta de 1,75 por cento, frente ao avanço de 2,30 por cento no mês passado. Ainda assim, os alimentos foram responsáveis por 63 por cento do IPCA-15 de julho.

'O IPCA-15 retrocedeu do pico visto em meados de junho. A melhora também foi notada em alguns componentes mais estruturais do índice', avaliou o estrategista-chefe do BNP Paribas no Brasil, Alexandre Lintz, em relatório.

'Esta é uma boa notícia, mas não o suficiente para dizer que o Banco Central já atravessou o pior. Mantemos nossa avaliação de que a dinâmica inflacionária no Brasil é preocupante... O IPCA-15 não muda nossa visão de que o BC vai manter a alta de 0,75 ponto percentual em setembro.'

Na véspera, o Comitê de Política Monetária (Copom) reforçou a dose do aperto monetária ao elevar a Selic para 13,0 por cento ao ano. O aumento, de 0,75 ponto, foi mais forte que os dois anteriores.

SINAIS DE ALÍVIO

Segundo Lintz, o núcleo da inflação por exclusão caiu de 0,54 por cento no IPCA de junho para 0,42 por cento. Na leitura por médias aparadas com suavização, o núcleo recuou de 0,48 para 0,38 por cento.

Outro sinal de alívio veio do índice de difusão, que indica o percentual de bens com aumento de preços. Esse indicador saiu de 67 para 63 por cento.

Os dados ajudaram as projeções mais longas de juro a recuar na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F).

No ano, o IPCA-15 acumula elevação de 4,33 por cento. Nos últimos 12 meses, o avanço é de 6,30 por cento.

O IPCA-15 é tido como uma prévia do IPCA, o índice que serve de referência para a meta de inflação do governo.

A metodologia de cálculo é a mesma, apurando a variação de preços para famílias com renda de até 40 salários mínimos em 11 regiões metropolitanas do país. A diferença está no período de coleta, já que o IPCA mede o mês calendário.

(Com reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG